Política

Sobre Geddel, Dilma e faxina

Imagem Sobre Geddel, Dilma e faxina

O ex-deputado fez declarações inusitadas e a presidente enfrenta dificuldade para continuar trabalhando

Publicado em 21/08/2011, às 13h28        Redação Bocão News

Na edição desta semana da revista Carta Capital, o colunista e editor Maurício Dias traz a informação de que Cláudia Luz, procuradora-geral de Justiça Militar, encaminhou ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, “os procedimentos licitatórios e as dispensas de licitação” entre o Exército e o malfadado Dnit do Ministério dos Transportes. O encaminhamento a Gurgel indica que há indícios contra Enzo Peri, comandante do Exército Brasileiro, que tem foro privilegiado. Gurgel, autoridade competente para indiciar Peri, está com a batata quente nas mãos. Há dias, Cláudia Luz requisitou a Peri a instauração de inquérito para apurar eventual responsabilidade criminal de cinco generais apoiada na mesma auditoria do TCU onde o comandante do Exército é incriminado.

O jornalista comenta uma resposta inusitada que o vice-presidente da Caixa Econômica para Pessoa Jurídica, Geddel Vieira Lima (PMDB) deu a um repórter que cobrava informações sobre empréstimo feito à Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).
“A CSN é ‘Triplo A’. Para os EUA não concederia o empréstimo.”

Em outro texto de Dias publicado nesta edição o jornalista conta uma história que relaciona uma resposta do general Golbery do Couto e Silva e a presidente Dilma. Intitulado “Ossos do Ofício” fala sobre a faxina e os limites de punição para quem está no poder. Confira:

Os ossos do ofício

Mauricio Dias

19 de agosto de 2011 às 10:51h

Ao subir a rampa interna do Palácio do Planalto na chegada ao trabalho na terça-feira 16, a presidenta Dilma Rousseff respondeu à pergunta se o combate à corrupção era o maior desafio do governo. Ela não vacilou. Deu à velha pergunta uma velha resposta: “O grande desafio deste país é desenvolver e distribuir renda”.

Sobre o combate à corrupção ela deixou o tema, como das outras vezes, à margem da resposta: “São ossos do ofício”.

Há razões de ordem filosófica contra as cruzadas moralistas que sempre têm o sabor de engodo. Relembre-se Jânio Quadros. Isso porque, como é sabido, nenhum sistema de normas suporta o conhecimento de todas as violações que sofre.

Para quem está no poder há também problemas práticos como o que me foi apontado, certa vez, pelo general Golbery do Couto e Silva. Ele estava no Rio de Janeiro, após deixar a chefia da Casa Civil no governo Figueiredo, na sequên-cia da bomba do Riocentro, o mais dramático episódio político no ocaso da ditadura.

Foi a segunda e última vez que estive com ele. Naquele momento, Golbery relançava o livro Planejamento Estratégico. Era março de 1982, conforme registra a arguta dedicatória feita por ele no exemplar que me ofereceu. A mesma argúcia, por sinal, usada para responder à pergunta que fiz apoiada na versão que prevalece até hoje, segundo a qual ele teria saído por exigir a punição dos autores do atentado.

“Você me considera burro?”, perguntou com a voz macia.

“De jeito nenhum”, respondi meio perturbado.

“Você sabe de onde partiu a ordem para o atentado?”, insinuou.

“Penso que sim…”

E antes que eu fizesse qualquer referência explícita, ele me atalhou e perguntou: “Era possível apurar e punir?”

“Claro que não”, foi a resposta automática.

Golbery, na versão de Golbery, deixou o governo não porque queria apurar, mas, sim, porque queria aproveitar o enfraquecimento dos organismos de repressão da ditadura e desarticulá–los- de vez. Àquela altura, quase um ano após o atentado, já se falava que a ordem teria partido de um dos gabinetes próximos ao núcleo do poder.

Violência e corrupção são razões bem distintas. Mas essa história mostra que nem tudo é possível no ambiente político do poder. Principalmente quando se trata de punir aliados.

Dilma foi eleita nesse ambiente político. Reagiu a ele e paga o preço pela faxina que fez no Ministério dos Transportes/Dnit, controlado pelo Partido da República. Na terça-feira 16, o senador Alfredo Nascimento, presidente do PR, defenestrado do Ministério dos Transportes, anunciou a retirada do partido da base governista.

Além de agir em causa própria, Nascimento reagiu às 30 demissões nos Transportes que atingiram em cheio o PR. Em tese, saíram 41 deputados e 6 senadores da base de apoio a Dilma. Em termos absolutos, é muita gente. Porcentualmente, não preocupa tanto: quase 10% de parlamentares na Câmara e menos de 8% no Senado. A expressão numérica da base governista, já sem o PR, ainda impressiona: 360 deputados e 46 senadores. Mas números absolutos nem sempre governam o mundo político.

Embora a baixa dificulte, não inviabiliza as ações do governo. No Senado, entretanto, pode favorecer a criação da CPI da Corrupção que a oposição tanto busca.


Foto: Edson Ruiz // Bocão News

Classificação Indicativa: Livre