Política

Militares farão desfile de blindados por Brasília em meio a declarações golpistas de Bolsonaro

[Militares farão desfile de blindados por Brasília em meio a declarações golpistas de Bolsonaro]
09 de Agosto de 2021 às 19:02 Por: Reprodução/Marcos Corrêa/PR Por: RICARDO DELLA (FOLHAPRESS)

Em meio a uma série de declarações golpistas do presidente Jair Bolsonaro e na semana em que está prevista a votação do voto impresso na Câmara, o Ministério da Defesa realizará nesta terça-feira (10) um desfile de blindados que passará em frente ao Palácio do Planalto, em Brasília.

De acordo com um comunicado da Marinha, o desfile marcará a entrega a Bolsonaro e ao ministro Walter Braga Netto (Defesa) de um convite para que as autoridades acompanhem, na próxima segunda-feira (16), um tradicional exercício da Marinha que ocorre desde 1988.

Embora autoridades normalmente sejam chamadas a assistir à Operação Formosa, que ocorre na cidade de mesmo nome em Goiás, é a primeira vez que o convite ocorrerá com um desfile de blindados militares.

De acordo com a assessoria de comunicação da Defesa, trata-se de uma ação de divulgação do exercício. Segundo a Marinha, a Operação Formosa envolverá neste ano mais de 2.500 militares das três Forças -é a primeira edição que Exército e Aeronáutica participam.

No total, serão 150 diferentes equipamentos, entre carros de combate, blindados, aeronaves e lançadores de mísseis e foguetes. O objetivo é simular uma operação anfíbia. Questionado, o Ministério da Defesa não precisou quantos desses veículos estarão no desfile desta terça-feira.
"Nesta terça-feira, pela manhã, comboio com veículos blindados, armamentos e outros meios da Força de Fuzileiros da Esquadra, que partiu do Rio de Janeiro, passará por Brasília, a caminho do Campo de Instrução de Formosa."

"Na oportunidade, às 8h30, no Palácio do Planalto, serão entregues ao Presidente da República, Jair Bolsonaro, e ao Ministro da Defesa, Walter Souza Braga Netto, os convites para comparecerem à demonstração operativa", diz a Marinha, em nota.

A presença de blindados em frente ao Planalto -um local em frente ao STF (Supremo Tribunal Federal) e ao lado do Congresso Nacional- ocorre em meio ao agravamento de uma crise institucional entre Bolsonaro e o Judiciário.

O presidente tem feito uma série de ameaças contra a organização das eleições do ano que vem. Na
sua defesa do voto impresso, ele chegou a colocar em dúvida a realização do pleito.

"Sem eleições limpas e democráticas, não haverá eleição", disse Bolsonaro em 1º de agosto. Dias depois, ao ser incluído pelo ministro Alexandre de Moraes (STF) como investigado no inquérito das fake news, o mandatário disse que poderia atuar fora dos limites constitucionais.

"Ainda mais um inquérito que nasce sem qualquer embasamento jurídico, não pode começar por ele [pelo Supremo Tribunal Federal]. Ele abre, apura e pune? Sem comentário. Está dentro das quatro linhas da Constituição? Não está, então o antídoto para isso também não é dentro das quatro linhas da Constituição", declarou Bolsonaro, durante uma entrevista.

Após reiterados ataques de Bolsonaro a integrantes do STF, principalmente contra Moraes e Luís Roberto Barroso, o presidente do tribunal, Luiz Fux, cancelou uma reunião prevista entre os chefes dos três Poderes.

A demonstração das Forças Armadas ocorrerá ainda na semana em que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do voto impresso pode ser derrotada no plenário da Câmara.

Pauta prioritária do bolsonarismo, a PEC foi rechaçada numa comissão especial na semana passada, mas o presidente da Casa, deputado Arthur Lira (PP-AL), deve pautá-la em plenário. Lira diz que planeja pautá-la para esta terça ou quarta-feira (11). A tendência é que deputados rejeitem a PEC.
A iniciativa do militares repercutiu entre congressistas. Vice-presidente da CPI da Covid no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) atacou, em uma rede social, a presença de blindados na Esplanada nesta terça.

Além da escalada de declarações golpistas de Bolsonaro, especialistas têm alertado para o risco de politização das forças. No final de março, Bolsonaro demitiu o então ministro da Defesa, Fernando Azevedo.

De acordo com interlocutores, Azevedo vinha resistindo a pressões do presidente por um maior apoio das Forças Armadas na defesa de medidas do governo, principalmente na oposição a políticas de distanciamento social adotadas por governadores e prefeitos.

No lugar, Bolsonaro nomeou o ex-ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, visto como um militar mais alinhado às pautas bolsonaristas.

Como resultado da demissão de Azevedo, os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica também anunciaram que deixariam seus postos.

 

Matérias relacionadas:

Colunista propõe golpe militar para retirar Bolsonaro da Presidência

Classificação Indicativa: Livre


Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar