Política

Fabíola Mansur lamenta participação do prefeito de Brumado em atos bolsonaristas no 7 de Setembro

Vagner Souza / BNews

Deputada comentou participação do gestor, e seu colega de legenda, Eduardo Lima Vasconcelos (PSB) nos atos a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no último 7 de Setembro, em Brasília. "Vamos fazer uma reunião da executiva a respeito do tema", disse

Publicado em 14/09/2021, às 12h14    Vagner Souza / BNews    Nilson Marinho e Marcos Maia

A deputada estadual Fabíola Mansur (PSB) comentou na manhã desta terça-feira (14) a participação do prefeito de Brumado, e seu colega de legenda, Eduardo Lima Vasconcelos (PSB) nos atos a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no último 7 de Setembro.

O gestor deixou a cidade e foi até Brasília para se manifestar. "Vamos fazer uma reunião da executiva a respeito do tema. É uma posição pessoal que a gente lamenta muito. O partido tem seu histórico de progressismo que não desperta dúvida nas pessoas", disse.

Mansur conversou com a reportagem do BNews nesta manhã, quando acompanhou o governador Rui Costa (PT) durante a entrega de uma obra de contenção de encosta em Marechal Rondon, na capital baiana.

Ela avalia que as manifestações bolsonaristas da última terça-feira (7) demonstram que o presidente mantém sua capacidade de mobilização seus apoiadores com perfil mais radicalizado dentro de sua base. 

Contudo, também pondera que, embora a adesão tenha sido grande, os que foram às ruas não representam o sentimento da maioria da população quanto ao atual governo.

"Se você olhar para as pesquisas, o presidente está no seu pior índice de popularidade. Estamos com altos índices de fome, de desemprego e inflação", avalia. Há quatro semanas, uma pesquisa realizada pelo DataPoder revelou, em 19 de agosto, que a rejeição ao governo chegou a 64%.

A parlamentar destaca que a atitude do presidente, bem como suas falas, acabaram sendo rechaçada pelas instituições. "Foi tão mal visto que ele pediu arrego no dia seguinte", opinou, em referência a nota divulgada pelo presidente dois dias após os atos

A escrita do texto contou com a consultoria do ex-presidente Michel Temer (MDB). Para Mansur, desde que eleito, Bolsonaro não "desce do palanque". "Como ele não tem programa de governo, ele sobe no palanque para incitar a população, brasileiros contra brasileiros. Isso é realmente preocupante e precisa ser repudiado", continuou.

12 de Setembro 

Já quanto aos atos puxados pelo Movimento Brasil Livre (MBL) e pelo  "Vai Pra Rua", no último domingo (12), a parlamentar alfinetou que estes "não foram convocados pela sociedade e pessoas que apoiam a democracia, mas pelo MBL". 

Ambos os grupos, em 2016, promoveram manifestações pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT). Contra Bolsonaro - e também se posicionando contra um eventual retorno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao poder -, os atos do último domingo tiveram baixa adesão

Legendas de esquerda, como PT e o Psol, decidiram não participar destas manifestações. Em nota divulgada na véspera, o PT disse que embora saudasse "todas as manifestações Fora Bolsonaro", havia definido com outras forças políticas e organizações sociais e populares, atos públicos nacionais para os  dias 2 de outubro e 15 de novembro. 

"Temos uma grande convocação para o próximo dia 2 de outubro, que acho que as pessoas que estão defendendo o país, defendendo direitos, as pautas progressistas e sendo contra o ódio e intolerância, irão às ruas - assim como estão nas redes sociais", concluiu Mansur.

Notícias Relacionadas

Rui Costa pede transparência na investigação após morte de PM baiano em Pernambuco

Rui justifica que “Sesab está estruturada” ao comentar sexta semana sem secretário (a) titular

Bruno Reis afirma já ter prazo para decidir sobre realização do Carnaval e do Réveillon de Salvador

"Não há o que se falar em impeachment, e não há o que se falar em golpe", avalia Bruno Reis

Classificação Indicativa: Livre