Política

TCU condena líder sem-terra a devolver R$ 3,3 milhões

O TCU rejeitou as justificativas apresentadas pelo atual titular do Incra

Publicado em 03/06/2013, às 07h19        Redação Bocão News (@bocaonews)

O Tribunal de Contas da União (TCU) condenou o militante sem-terra Bruno Maranhão e a entidade comandada por ele, Associação Nacional de Apoio à Reforma Agrária (Anara), a devolver R$ 3,3 milhões em valores de hoje aos cofres públicos por irregularidades na execução de três convênios com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Maranhão ficou nacionalmente conhecido por liderar uma invasão de 500 sem-terra à Câmara dos Deputados em 2006 que resultou na depredação de uma das entradas do prédio. A Corte também aplicou à entidade e ao dirigente uma multa de R$ 400 mil.

Segundo nota publicada no Estadão, o TCU rejeitou as justificativas apresentadas pelo atual titular do Incra, Carlos Mário Guedes, e pelo ex-presidente, Rolf Hackbart, e lhes impôs sanção de, respectivamente, R$ 3 mil e R$ 10 mil. Uma tomada de contas especial feita pela área técnica do tribunal revelou que os convênios não tinham uma “descrição detalhada, clara e precisa” do objeto. Os contratos tinham entre os principais objetivos realizar cursos de capacitação, melhorar técnicas de produção de agricultura familiar e elaboração de cartilhas para assentados.

Classificação Indicativa: Livre