Política

Bolsonaro tem pior aprovação da história, mostra pesquisa

Reprodução/SBT

Desaprovação do presidente se manteve em 60%

Publicado em 29/11/2021, às 12h55    Reprodução/SBT    Redação BNews

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) registra uma aprovação de 19%, pior patamar desde sua eleição. É o que mostra pesquisa Atlas, divulgada pelo jornal Valor Econômico hoje (29).

A desaprovação se manteve em 60% e outros 20% passaram a ver o desempenho do governo como regular; o grupo intermediário somava 14% no último levantamento.

Há cerca de um ano, o presidente mantinha 31% de apoiadores, índice que era considerado ‘um piso’ do bolsonarismo pelos pesquisadores.

A queda de popularidade, segundo a pesquisa, foi impulsionada pela inflação registrada em novembro, crescimento do desemprego e alta desenfreada no preço de itens básicos, como alimentos e combustíveis. A corrupção, de acordo com o levantamento, também pesou na avaliação dos entrevistados.

Maior problema do Brasil

Questionados sobre o maior problema do Brasil atualmente, 21,4% dos entrevistados marcaram a corrupção e 19,3% disseram que era a pobreza e a desigualdade social. Inflação e alta nos preços aparecem logo em seguida, com 16,7% das citações. Desemprego e falta de crescimento também tiveram lugar de destaque nos problemas indicados pela população, com 6,8% e 6,5% das citações, respectivamente.

Segundo o levantamento, o trabalho individual do presidente também registrou baixa histórica. Ao todo, apenas 29% dos brasileiros disseram aprovar o desempenho de Bolsonaro no Planalto, o índice era de 32% em setembro.

A desaprovação, neste caso, também chegou ao maior patamar registrado, 65% dos entrevistados disseram que desaprovam o trabalho individual do ex-capitão. O número é o mesmo registrado em maio do ano passado, quando chegou a pior avaliação até então.

A pesquisa Atlas entrevistou 4.921 pessoas de forma on-line entre os dias 23 e 26 de novembro. A margem de erro é de um ponto percentual e o índice de confiança é de 95%.

Acompanhe o BNews também nas redes sociais, através do Instagram, do Facebook e do Twitter

Classificação Indicativa: Livre