Política

Novo conselheiro de Lula atuou na privatização da Cesp e Cedae

Redprodução/ Instagram @galipolo14

Lula não desconhece a trajetória de seu novo conselheiro que já esteve em lado oposto ao PT

Publicado em 07/04/2022, às 07h37    Redprodução/ Instagram @galipolo14    Catia Seabra/ Folhapress

O que as privatizações da Cesp (Companhia Energética do Estado de São Paulo) e da Cedae (Companhia de Águas e Esgotos do Rio) têm em comum? As digitais do ex-banqueiro Gabriel Galípolo, 39, hoje um dos conselheiros do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre mercado financeiro.

Presidente do Banco Fator de 2017 a 2021, Galípolo já esteve em campo oposto ao PT. Seja na presidência ou na diretoria de novos negócios do banco, cadeira que ocupou de 2016 a 2017, o economista atuou na modelagem das vendas das duas estatais, ocorridas sob protesto de petistas.

Em dezembro de 2016, o Governo de São Paulo contratou a consultoria do Fator para privatização da Cesp. No ano seguinte, o banco venceu licitação do BNDES para concepção da venda da Cedae.
Sob o comando de Galípolo, o Fator também atraiu capital estrangeiro para que assumisse a construção e exploração da linha 6 do metrô de São Paulo.

Leia mais:

Senado aprova indicação de dois novos diretores do Banco Central

Pré-candidato à presidência da República pelo PSDB, João Doria visita o BNews nesta sexta-feira (8)

Planalto ofereceu cargos pela morte de ex-PM ligado aos Bolsonaros, disse irmã; ouça

Lula não desconhece a trajetória de seu novo conselheiro. Nem suas opiniões. Simpático à social-democracia instalada na Europa do século 20, Galípolo refuta, por exemplo, a ideia de conflito entre mercado e Estado.

Na noite de segunda-feira (4), durante jantar da presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), com economistas, ele expôs seu ponto de vista, lamentando estarmos presos a essa dicotomia. Galípolo também repetiu que "privatização não pode ter um fim em si mesma", mas estar alinhada a um propósito. Esse conceito foi posto em prática na privatização da Cedae. O governo do Rio reivindicava que os recursos fossem destinados ao pagamento de dívidas. Mas, pelo modelo concebido, o dinheiro deverá ser revertido em programa de saneamento.

Economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves elogia o que chama de "honestidade intelectual" de Galípolo, ao lado de quem trabalhou. Segundo José Francisco, Galípolo não rasga seu diploma ao sabor de suas conveniências. "Ele não tem raiva do mercado e do Estado. Por ser mais sofisticado intelectualmente, é mais rico no debate."

Galípolo tem manifestado sua opinião nas conversas com Lula, mantidas desde o ano passado. Por sugestão de um amigo em comum, Lula convidou Galípolo para um encontro virtual. Segundo petistas, o ex-presidente gostou do que ouviu, ampliando diálogo. Mestre em economia pela PUC de São Paulo, o ex-banqueiro tem como um dos mentores o economista Luiz Gonzaga Belluzzo, com quem escreveu três livros. Seus títulos: "Manda quem pode, obedece quem tem prejuízo", "A escassez na abundância capitalista" e "Dinheiro: o poder da abstração real".

Com Beluzzo, ele dividiu uma sociedade por um ano, além de compartilhar sua paixão pelo Palmeiras e a curiosidade pela física quântica. Filho de um uruguaio, Galípolo gosta de rock clássico, tendo viajado à Irlanda para assistir a um show do U2.

Formado em 2004, foi convidado dois anos depois para trabalhar no governo José Serra. Como chefe da assessoria econômica da Secretaria de Transportes Metropolitanos, atuou na implementação da PPP (Parceria Público Privado) para construção da linha 4 do metrô, ocupando em seguida a diretoria de estrutura e projetos da Secretaria de Planejamento, comandada à época por Francisco Vidal Luna.
Em 2008, Belluzzo foi sondado para assumir o Banco Central, no lugar de Henrique Meirelles, e convidou Galípolo para assessorá-lo na instituição. Encorajado por Luna, Galípolo deixou o governo de São Paulo, mas a nomeação de Belluzzo não prosperou.

Em 2009, após uma breve sociedade com Belluzzo, Galípolo fundou sua própria consultoria voltada a projetos de investimentos, especialmente na área de infraestrutura. Três anos antes, uma experiência na transição do governo Cláudio Lembo para o de Serra acabou por propiciar uma aproximação com o petista Aloizio Mercadante. Durante o processo, Galípolo buscava a viabilização financeira de dois projetos: uma linha de metrô em área nobre de São Paulo e uma estação de trem na periferia.

O projeto do metrô foi aprovado. O da linha de trem, não. Incentivado por um colega, Galípolo relatou sua frustração ao governador Cláudio Lembo no corredor do Palácio dos Bandeirantes. Sensibilizado, Lembo determinou a aprovação de verba também para a periferia. No ano seguinte, já na inauguração da linha de trem, o então governador, José Serra, foi abordado por uma moradora que comemorava o fato de ter vendido sua casa com preço valorizado graças à obra. De lá, ela mudaria para uma região ainda mais periférica.

Desapontado pela constatação de que a obra afastara a moradora do centro, Galípolo dedicou-se à elaboração de um projeto destinado à oferta de moradia para população de baixa renda em regiões com subaproveitada estrutura de saneamento, educação e transporte.

Em 2010, o projeto -detalhado em 150 slides- chegou às mãos de Mercadante. Então candidato ao governo de São Paulo, Mercadante incorporou a proposta a seu programa.
Hoje na presidência da Fundação Perseu Abramo, Mercadante é cotado para a coordenação do plano de governo de Lula. A expectativa é que Galípolo colabore em sua elaboração.

Siga o BNews no Google Notícias e receba as principais notícias do dia em primeira mão.

Classificação Indicativa: Livre