Política

Posto médico da Presidência da República será abastecido com novos medicamentos, inclusive tarja preta

Arquivo / Agência Brasil
Medicamentos também serão levados em viagens presidenciais  |   Bnews - Divulgação Arquivo / Agência Brasil

Publicado em 19/06/2024, às 11h23   Cadastrado por Lucas Pacheco



O Palácio do Planalto irá comprar diversos medicamentos para o posto médico da Presidência e também para serem levados em malas nas viagens presidenciais. Entre os itens estão medicamentos de tarja preta, como antipsicóticos, antidepressivos e também remédios para combater insônia e artrite.

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp!

Constam em duas atas de registro de preços a formalização para compra de  medicações como o alprazolam e o diazepam, para ansiedade, também o fenobarbital, popularmente conhecido como Gardenal, que possui efeito sedativo, do antipsicótico haloperidol, do antidepressivo quetiapina e do zolpidem, indicado para distúrbios do sono.

Primeiro edital

O primeiro edital, de R$ 106,6 mil, prevê a compra de 69 itens, entre 200 ampolas de de 2ml de diazepam 5mg/ml, 50 ampolas de 2ml de fenobarbital sódico, 300 comprimidos de alprazolam de 1mg, 2 mil comprimidos de Valaciclovir de 500mg que é utilizado para tratar herpes, bem como antibióticos, anti-inflamatórios, antialérgicos, rémedios para hipertensão arterial, analgésicos, para dilatação de pupilas, prevenção de tromboses, para remoção de tecido morto e estímulo à cicatrização de feridas, e indução de anestesia geral.

Segundo edital

No segundo edital, de R$ 68 mil, há 240 comprimidos de quetiapina de 25mg, 100 ampolas de 1ml do antipsicótico haloperidol de 5mg/ml, 200 ampolas de 3ml do sedativo midazolam de 5mg/ml e 150 comprimidos de zolpidem de 5mg.

Além deles, também medicamentos para complicações cardíacas, vasodilatadores, descongestionantes nasais, antiopióides, remédios para úlceras, gases e outros problemas gastrointestinais, antialérgicos, vários tipos de analgésicos e relaxantes musculares.

Justificativa

“A aquisição dos medicamentos possibilita atendimento aos pacientes da Cosau. Portanto, a não aquisição acabará inviabilizando os atendimentos, acarretando prejuízo a assistência, uma vez que a coordenação deverá deslocar os pacientes para outra unidade de saúde conveniada e apta a prestar o atendimento adequado”, afirmam os editais. 

Governo Bolsonaro

Depois de uma internação do então presidente Jair Bolsonaro para tratamento de uma obstrução intestinal, em 2021, o Planalto também licitou a compra de 60 medicamentos, entre eles, a simeticona, remédio antigases, e 1.662 ampolas injetáveis de diazepam”, sendo 450 ampolas de diazepam destinados à Presidência.

Também foram beneficiados a Cosau, o Hospital das Forças Armadas e o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into).

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp