Política

Servidora condenada pelo STF rompe tornozeleira, desaparece e Justiça avisa Moraes

Reprodução
A servidora foi condenada por participação nos atos antidemocráticos de 8 de janeiro  |   Bnews - Divulgação Reprodução

Publicado em 28/06/2024, às 09h42   Rebeca Silva



A servidora pública Maria Aparecida Medulo, de 52 anos, condenada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por participação nos atos antidemocráticos de 8 de janeiro, fugiu após romper sua tornozeleira eletrônica, conforme informado pela Justiça de São Paulo, na última quinta-feira (27), ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp

A servidora é acusada de associação criminosa armada, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano ao patrimônio público e deterioração de patrimônio tombado. Ela foi presa em flagrante durante os atos antidemocráticos em Brasília.

O ministro Alexandre de Moraes concedeu liberdade em agosto de 2023, com a condição da utilização da tornozeleira eletrônica.

Segundo o site Metrópoles, em 20 de maio deste ano, a Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo (SAP) reportou à Justiça o rompimento da tornozeleira.

Desde então, a Justiça determinou que a acusada explicasse sobre o rompimento do dispositivo.

"Em análise ao referido monitoramento, foi possível constatar que no dia: 20/05/2024 às 11h15 a monitorada em questão incorreu na violação", diz o ofício da SAP ao Judiciário.

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp