Saúde

Em cinco meses, mortes por dengue no Brasil superam o total de 2021

Divulgação/Fiocruz

A pasta investiga outras 349 mortes

Publicado em 28/05/2022, às 17h06    Divulgação/Fiocruz    Redação BNews

O Brasil registrou, desde janeiro até o último sábado (21), 382 mortes por dengue, segundo levantamento feito pelo Ministério da Saúde. O número impressiona porque é maior do que o total visto em todo o ano passado, quando 246 óbitos foram registrados. A pasta investiga outras 349 mortes.

De acordo com o ministério, na comparação do mesmo período, o número de mortes visto em 2022 é mais que o dobro (138,7% maior) do registrado no ano passado. Por outro lado, houve redução de 35% em comparação a 2019.

Leia também:Bahia é terceiro estado com mais mortes por dengue em 2022; casos crescem 40% em todo o país

O país vive um surto de dengue, e neste sábado (28) está concluindo a semana epidemiológica 21.

No início do mês, o Brasil chegou ao mesmo número de casos visto em todo o ano passado. Até o dia 21, haviam sido registradas 9.318 formas graves da doença desde o início do ano.

Seegundo reportagem do g1, os estados com maior quantidade de mortes até a semana passada foram São Paulo (134 óbitos), Santa Catarina (43 óbitos), Goiás (41 óbitos), Rio Grande do Sul (35 óbitos) e Paraná (31 óbitos).

Ainda de acordo com o site, a Bahia registrou 21 óbitos, Minas Gerais, 15, Mato Grosso do Sul, 12, e o Piauí, 10. Acre, Amapá, Paraíba, Pernambuco e Alagoas não registraram mortes pela doença. Os outros estados têm menos de 10 registros cada.

Das 349 mortes que estão sendo investigadas, 138 estão em Goiás, 42 em Minas Gerais, 42 em São Paulo, 31 no Paraná e 25 no Distrito Federal.

O levantamento aponta ainda que até o último sábado, Goiás também era o estado com maior número de casos graves (2.972), seguido de São Paulo (1.359) e Paraná (1.265).

Em relação à população, o estado com o maior número de casos é, de novo, Goiás, com mais de 2 mil casos a cada 100 mil habitantes. Em seguida vêm o Distrito Federal, com cerca de 1,5 mil casos para cada 100 mil habitantes, e o Tocantins, com 1,3 mil casos a cada 100 mil habitantes.

Classificação Indicativa: Livre