Serviços

Dez meses de privatização e cartórios baianos continuam funcionando mal

Imagem Dez meses de privatização e cartórios baianos continuam funcionando mal

Problema é timidamente discutido por alguns parlamentares. Saiba mais

Publicado em 14/01/2013, às 17h27        Terena Cardoso (@terena_cardoso)

Demora no atendimento, filas, falta de respeito. Essas denúncias contra o funcionamento de alguns cartórios deSalvador não são novidade. Para a leitora do Bocão News, Carla Sacramento, de 22 anos e outros usuários do Tabelionato de Notas 3° Ofício, na Avenida 7 de Setembro, a manhã desta segunda-feira (14) foi estressante. “A fila estava enorme, tinha gente esperando do lado de fora e até idosos estavam em pé. Uma esculhambação!”, desabafa a estudante que denuncia também o cartório do Centro Empresarial Iguatemi. "Outro dia cheguei lá às 9h30 para autenticar uns documentos e só consegui sair às 12h", diz.

Como se não bastasse o atendimento precário, Carla se lembra dos preços que aumentaram logo após a privatização de determinados cartórios na Bahia, como é o caso do 3° Ofício. “Antes pagávamos alguns trocados, agora é R$ 3,10 por cada carimbo! Privatizaram para cobrar caro e dar esse tipo de atendimento?”, questiona a leitora, que enquanto estava na fila, ouviu o desabafo de uma mulher que se disse carioca. “Ela falou que no Rio esse tipo de serviço é resolvido em minutos”, conta.

Na esfera política, esse problema vem sendo tratado timidamente por alguns parlamentares. O deputado estadual Pedro Tavares (PMDB), líder da Comissão de Defesa do Consumidor e Relações do Trabalho, confessa que o assunto ainda não foi discutido pelo grupo, mas promete avaliar o quanto antes medidas para reduzir o mau atendimento nos cartórios baianos. “Nós estamos em recesso, mas voltaremos no dia 1° de fevereiro e discutir esse assunto será uma de nossas prioridades”, garante o peemedebista, que se lembra da comissão criada justamente para fiscalizar o atendimento dos cartórios após a privatização. “Junto com a comissão vamos rever a qualidade dos serviços e marcar uma audiência pública para que o consumidor não seja mais lesado”, promete.



Deputado Pedro Tavares promete agilidade


O vice-presidente da comissão citada por Pedro Tavares, o deputado estadual Leur Lomanto Jr. (PMDB), lembra que o grupo de parlamentares foi formado há pouco tempo. “Nós criamos a comissão já no fim de 2012, então, não tivemos tempo hábil para debater esse assunto”, explica. No entanto, o parlamentar também garante prioridade. “Já recebemos várias reclamações sobre o mau funcionamento dos cartórios mesmo após as privatizações. Nossa ideia é reunir as partes interessadas o quanto antes para apurar os problemas e tentar solucioná-los”, diz.




Deputado Leur Lomanto Jr. diz que comissão ainda não teve tempo para debater o assunto


Enquanto nada é pensado, discutido ou revisto, resta ao cidadão continuar enfrentando as filas e se programando como pode, para utilizar os serviços nos cartórios da Bahia. “Para vir aqui ou você madruga ou perde uma manhã de trabalho, como eu perdi”, conta a leitora do Bocão News, Carla Sacramento.

*A denunciante optou por dar um nome fictício.


*Matéria publicada originalmente às 12h58 do dia 14/01.

Classificação Indicativa: Livre