Artigo

Sem empolgação

Imagem Sem empolgação

Líder espírita levanta discussão sobre brasileiros e expectativa para assistir aos jogos da Copa do Mundo

Publicado em 11/06/2018, às 08h41        Sem empolgação*

No domingo (10), o Fantástico dedicou quase o programa todo a exibir a excelência que vai ser a sua transmissão da Copa na Rússia. Fez a todos ver a multidão de profissionais, os recursos...Tudo certamente porque a menos de uma semana do apito inaugural e para o primeiro jogo do Brasil, o fato é que quase ninguém fala do campeonato. Honestamente, acho ótimo, é um raiozinho de esperança de que o brasileiro não está mais apenas nesta de pão e circo. Espero.

Não guardo ilusão de que na hora agá a audiência crescerá, claro, na medida do que deve ser, sem mais aquele frenesi que se via e tão ao gosto dos de plantão no poder, felizes pelo desvio de todas as atenções para a seleção canarinho. Quem acima de 50 não vai lembrar da Copa de 70, Brasil campeão e o ditador Médici levantando a Julis Rimet? Ah! Foi roubada.

Segundo pesquisa da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas, publicada em O Globo, faz poucos dias: a política brasileira recebeu mais que o dobro das menções à Seleção no Twitter -  4,8 milhões contra 2,3 milhões. Corrupção, greve/locaute dos caminhoneiros e de seus patrões e pré-candidatos à Presidência da República foram mais “populares” que a Copa. Dados significativos.

A falta de empolgação das pessoas com a chegada da Copa do Mundo, entendo, repercute a mudança de prioridade do nosso povo. Será uma consciência cidadã mais importante brotando? Talvez o que o povo está constatando é esta falta de perspectiva e de esperança que crescem; a grave crise política que o País atravessa; as taxas de desemprego chegando aos 13%; gasolina custando cerca de 5 reais e os sucessivos casos de corrupção não estão gerando interesse sobre o que Tite vai fazer ou não com as suas táticas em campo: o povo quer pagar as suas contas. As táticas estão mais para os dribles necessários à falta de dinheiro da população.

Por outro lado, o que se divulga do luxo, ostentação desses jogadores no avião que os transporta, nas sedes que irão se hospedar, chega a ser um acinte a mais de 13 milhões de desempregados que só querem ter a vida estabilizada com o mínimo para o seu sustento.

Por ouro lado, não tenho dúvida, que quando a seleção entrar em campo, as pessoas vão se mobilizar, irei ver também, mas sabe a verdade das verdades: se perder ou ganhar para mim será indiferente.

* José Medrado é líder espírita, fundador da Cidade da Luz, palestrante espírita e mestre em Família pela UCSal.

Classificação Indicativa: Livre