BNews Agro

China não dá prazo para retomar importações de carne do Brasil

Pixabay

A negociação entre os dois países está dependendo da análise técnica das informações sobre os casos de vaca louca identificados em 4 de setembro

Publicado em 30/09/2021, às 17h44    Pixabay    Redação BNews

A embaixada brasileira em Pequim informou na última quarta-feira (29), que o governo chinês não deu um prazo para retomar as importações de carne do Brasil. A negociação entre os dois países está dependendo da análise técnica das informações sobre os casos de vaca louca identificados em 4 de setembro.

Na ocasião, as exportações foram suspensas devido ao protocolo firmado entre o Brasil e China, que determina essa ação quando a doença é identificada.

Segundo reportagem do G1, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento explicou que o protocolo não define os passos para a retomada das transações, cabendo à China a decisão. Entre os temas em discussão com o país, está a revisão deste procedimento, informou a pasta.

Leia também:Exportações brasileiras de carne devem crescer 2% em 2022, diz adido do USDA

Passados 25 dias da suspensão, o Brasil enfrenta dificuldades para agendar uma reunião técnica com as autoridades chinesas. De acordo como o Ministério da Agricultura, uma solicitação já foi encaminhada mas o outro país alega que ainda está analisando os dados enviados.

Segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), a China é o principal destino da carne brasileira.

Casos da vaca louca

Os dois casos do mal da vaca louca identificados pelo Ministério da Agricultura ocorreram no início do mês em Belo Horizonte (MG) e Nova Canaã do Norte (MT). Ambas aconteceram por uma mutação genética e, portanto, não indica infecção de todo o rebanho.

A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), que foi notificada pelo Ministério da Agricultura, concluiu que eles não representam risco para a cadeia de produção bovina do país.

Os casos não fizeram com que o Brasil perdesse a classificação como país de risco insignificante para a doença.

Outras matérias:

Comunidade rural de Rio Real dobra produção de laranja

Tradição familiar rende prêmio a chocolateira baiana

Classificação Indicativa: Livre