Cidades

Conselho de Saúde da Bahia divulga recomendações para Carnaval; confira

Divulgação

Publicado em 12/11/2021, às 19h57    Divulgação    Pedro Vilas Boas

O Conselho Estadual de Saúde, ligado à Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab), divulgou um documento hoje (12) com recomendações para as prefeituras e governo do Estado sobre a realização do Carnaval em 2022.

No texto - assinado pelo presidente da entidade, Marcos Sampaio -, o conselho pede, entre outras orientações, percentual de testes positivos (RT-PCR on Ag) durante os últimos 15 dias que antecederem a data de realização do Carnaval 2022; números proporcionais de novos casos de Covid-l9 e a taxa de transmissão no município de realização do Carnaval 2022 por um período de 15 dias; e a instituição de obrigatoriedade de comprovação da vacinação completa, mediante exigência de "passaporte vacinal". (confira mais abaixo todas as recomendações)

Matérias Relacionadas: Festa de Carnaval com seis dias é confirmada em Salvador; saiba detalhes

Secretária de Saúde prega cautela ao falar sobre realização do carnaval: “Saúde em primeiro lugar"

Ontem (11), o Comcar (Conselho Municipal do Carnaval) reuniu os seus 32 conselheiros e, com a maioria dos votos, decidiu pela realização do Carnaval em Salvador. O parecer foi enviado à prefeitura e governo do Estado. A entidade é formado por representantes de blocos, associação de camarotes, sindicatos de ambulantes, cordeiros, taxistas, Estado e Município, entre outros. 

Rui Costa rebate sobre Carnaval

Na quarta-feira (10), o governador Rui Costa (PT) rebateu a pressão que vem sofrendo do prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), e participantes do Carnaval sobre a realização da festa.

"Não aceito ultimato de ninguém quando se trata de ser humano. Não aceito e não aceitarei ultimato de ninguém. Reconheço a legitimidade de quem é investidor, de quem tem no Carnaval sua atividade econômica, faz parte da atividade econômica da Bahia, gera emrpego e renda. Por outro lado, tenho 15 milhões de pessoas que tenho que cuidar da saúde", afirmou.

No mesmo dia, Bruno voltou a defender a realização do Carnaval. “Acho que podemos com segurança, cumprindo protocolos, entendendo que a pandemia ainda está ai. Salvador é capital nacional em vacinação. É a cidade mais eficiente”, disse.

Confira abaixo todas as recomendações feitas pelo CES:

-Média móvel semanal de casos de Síndrome Gripal, Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e de Covid-19, por 100.000 habitantes;
-Fila de espera de pessoas por dia para os casos de SRAG;
-Percentual de testes positivos (RT-PCR on Ag) durante os últimos 15 dias que antecederem a data de realização do Carnaval 2022;
-Números proporcionais de novos casos de Covid-19 e a taxa de transmissão no município de realização do Carnaval 2022 por um período de 15 dias;
-Cobertura vacinal contra a Covid-19 no Brasil, no Estado da Bahia e nos municípios de realização do Carnaval 2022;
-Recomendar a todas as autoridades sanitárias a adoção de medidas efetivas para reforçar junto à população à importância da observância dos protocolos de segurança sanitária;
-Recomendar, em caso de realização de eventos, a instituição de obrigatoriedade de comprovação da vacinação completa, mediante exigência de passaporte vacinal, especialmente nos espaços fechados e para a hospedagem no Estado da Bahia, assim como o controle de fronteiras, garantia de trabalho seguro nos circuitos e construção de mecanismos de monitoramento dos indicadores ao longo do Carnaval, a fim de calcular o impacto posterior nos indicadores de saúde nas cidades de realização do evento;
-Recomendar que não sejam utilizados recursos públicos da saúde para o custeio do Carnaval e para a estruturação de equipamentos destinados ao atendimento dos participantes das festas, devendo utilizar, em caso de realização dos festejos, outras fontes orçamentárias;
-A presente recomendação deverá ser amplamente divulgada, dando ciência aos seus destinatários

Leia também: Covid: Bahia vai manter leitos abertos no Extremo-Sul após aumento de casos

Ministro suspende portaria que proibia demissão de não vacinados

Classificação Indicativa: Livre