Coronavírus

CGU aponta que Ministério da Saúde não sabe do paradeiro de 336 respiradores doados a estados na pandemia

Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

Auditoria mostra má gestão do ministério na entrega de equipamentos e na contabilidade de gastos...

Publicado em 27/09/2021, às 08h42    Divulgação/Governo do Estado de São Paulo    Redação BNews

Uma auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU) revelou sinais de má gestão no Ministério da Saúde em 2020. Entre os problemas apontados pelo relatório, ao qual o jornal Globo teve acesso, está a ausência de documentos que comprovem o recebimento de respiradores doados pelo governo federal aos Estados durante a pandemia da covid-19. Segundo o levantamento, 72% dos equipamentos não têm informações sobre o receptor registradas no Sistema Eletrônico de Informações (SEI) e 336 foram perdidos.

De acordo com o jornal, a auditoria da CGU analisou ao todo 114 processos de doação de respiradores aos estados por parte da pasta. Ao final da análise, ficou constatado que em 72 deles não havia comprovante de entrega dos aparelhos e em outros 11, só comprovação parcial, ou seja, faltavam documentos. 

Ainda segundo o relatório, R$ 273 milhões em respiradores não têm comprovante de entrega. O total doado pela pasta foi de R$ 379 milhões em aparelhos.

Matérias relacionadas:

Marcos Rogério diz que omissão de CPI sobre respiradores do Consórcio Nordeste é "estelionato cometido contra brasileiros”

Ministro do STJ encaminha à CPI inquérito que investiga compra mal sucedida de respiradores pela Bahia

CPI: MPF-BA e Sesab terão de prestar informações sobre compra fracassada dos respiradores do Consórcio do NE

Ao constatar o problema, a Controladoria-Geral da União (CGU) decidiu buscar informações adicionais junto aos Estados. Em 20 Estados, aos quais deveriam ter sido entregues 1.376 respiradores, é desconhecido o paradeiro de 336 aparelhos. O número corresponde a 24% do total e pode representar um prejuízo de R$ 18,2 milhões aos cofres públicos. 

Os respiradores não encontrados deveriam estar em São Paulo (235), Rio de Janeiro (74), Bahia (19), Paraná (6) e Maranhão (2). Outros 884 foram achados (64%), mas em 156 casos analisados (11%) não houve resposta conclusiva dos Estados consultados.

O documento cita também: falhas contábeis na compra de equipamentos e imóveis e em obras em andamento, no pagamento de pessoal e na incineração e extravio de remédios e insumos. 

Leia também:

Homem é morto a tiros na varanda de casa em Boa Vista de São Caetano

Pfizer pedirá em breve autorização nos EUA para vacinar crianças menores de 12 anos

Diante de rejeição, Bolsonaro aposta em série de entregas pelo Brasil

A auditoria será considerada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) no julgamento das contas do Ministério da Saúde.

Em nota enviada ao O Globo, o Ministério da Saúde afirmou que está ciente da análise feita pela Controladoria-Geral da União e que vai se manifestar dentro do prazo estabelecido.

Classificação Indicativa: Livre