Coronavírus

Queiroga se opõe a Bolsonaro e diz que não vacinados estão sendo internados

Divulgação

O ministro Marcelo Queiroga se opõe a Bolsonaro também para defender vacinação infantil

Publicado em 13/01/2022, às 16h37    Divulgação    Redação BNews

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se opôs ao discurso do presidente Jair Bolsonaro (PL) e disse, nesta quinta-feira (13), que a maioria dos internados por covid-19 hoje em hospitais e UTIs é formada por pessoas que não foram vacinadas contra a doença. As informações são do portal UOL.

“Aqueles que se internam nos hospitais e nas unidades de terapia intensiva, a grande maioria são indivíduos não vacinados.”

Durante evento de recebimento do primeiro lote das vacinas contra a covid para crianças, Queiroga ainda reforçou o pedido para as pessoas se vacinarem com a segunda dose e aplicação de reforço. “Países que estão fortemente vacinados, como o Brasil, têm mais possibilidade de passar pela variante ômicron e outras variantes que, por acaso, surjam desse vírus que tem grande capacidade de gerar mutações”, argumentou.

Leia também: INSS suspende perícia de revisão do auxílio-doença após alta de casos de Covid-19

Início da vacinação de crianças de 5 a 11 anos será nesta sexta-feira, afirma Bruno Reis

Em alta, casos de coronavírus no Brasil já superam pico da primeira onda

Vacinação infantil

O ministro Marcelo Queiroga defendeu também a vacinação pediátrica contra covid-19, ressaltando que o imunizante tem se mostrado seguro nos locais em que já é aplicado.

"Apesar de recentes, essas vacinas têm sido aplicadas nos principais sistemas de saúde no mundo. Começou em novembro, sobretudo nos Estados Unidos, onde mais de 8 milhões de doses foram aplicadas em crianças de 5 a 11 anos, e não tem sido notificados eventos adversos maiores", declarou. "Portanto, até o que sabemos no momento, existe segurança atestada, não só pela Anvisa, mas por outras agências regulatórias, para aplicação dessas vacinas.”

Queiroga disse que a pasta, juntamente com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e a indústria farmacêutica, irá monitorar de perto eventuais efeitos adversos da vacinação. O ministro informou que o Brasil receberá 20 milhões de doses da vacina pediátrica da Pfizer até o final de març
o.

Siga o BNews no Google Notícias e receba os principais destaques do dia em primeira mão!

Classificação Indicativa: Livre