Justiça

Eleição OAB-BA: Daniela Borges ataca propostas eleitoreiras na disputa pela presidência; veja o Fato & Opinião 

Reprodução

Publicado em 17/11/2021, às 17h45    Reprodução    Victor Pinto e Lucas Pacheco

A segunda entrevistada do programa ‘Fato e Opinião’, da BNewsTV, com os candidatos à presidência da OAB-BA, foi com a advogada Daniela Borges, da chapa ‘União pela Advocacia’ e que é apoiada pelo atual presidente Fabrício Castro.

Na entrevista, com o editor do BNews, Victor Pinto, ela ressaltou que sua candidatura com Christianne Gurgel é resultado de uma construção de grupo e apresentou algumas propostas que pretende por em prática caso eleita, como implantação do cadastro de violadores de prerrogativas, renovação da tabela de honorários e sobre as anuidades destacou que é preciso ter cuidado com “propostas eleitoreiras e sem responsabilidade”. Um claro recado a seus adversários.

Daniela já foi tesoureira da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Bahia (OAB-BA) e atualmente é Conselheira Federal e presidente da Comissão da Mulher Advogada.

Ela integra o grupo político do ex-presidente da seccional e atual vice-presidente nacional, Luiz Viana, e do atual presidente na Bahia, Fabrício Castro, e disputa a presidência da OAB na Bahia tendo como vice a advogada Christianne Gurgel, que vem do grupo político do ex-presidente Saul Quadros, grupo esse que sempre atuou na oposição ao grupo de Daniela. 

Na entrevista ao ‘Fato & Opinião’, Daniela Borges começou destacando que a escolha do seu nome foi consenso do seu grupo. 

“Eu acho que a primeira coisa é a importância para mim da minha candidatura e de Christianne Gurgel vir como uma construção de grupo. Eu acredito muito que ninguém constrói anda sozinho. E acho que a força da advocacia vem justamente dessa união. Por isso, inclusive, no nome da nossa chapa, ‘União pela Advocacia’. Eu tenho uma história e uma trajetória que me preparam para esse momento, em um grupo com muitas pessoas com trabalho, história e legitimidade. Então, pra mim é uma honra poder está junto com Christianne Gurgel dento dessa construção de um grupo com tanta experiência e, ao mesmo tempo, com tanta juventude, porque também temos pessoas no grupo que nunca integraram o conselho, com essa força jovem, como sempre Chris", diz. 

Ela também ressaltou sua experiência e contribuições na entidade. “O fato de eu ter sido conselheira seccional no primeiro triênio, trabalhado muito em um projeto para o interior, na parte de sedes e reformas. No segundo triênio como tesoureira, trazendo também muitas contribuições e realizações: o portal da transparência, isenção da advogada no ano do parto e da adoção. E agora como conselheira federal".

"Então, eu conheço da estrutura da OAB e também dessa atuação da OAB no âmbito nacional. Presidindo a Comissão Nacional da Mulher Advogada, eu não só pude conhecer muito dessa relação do seccional com o Brasil todo, mas também liderar um grande processo de mudança na OAB", completou.

Leia também:

Eleições OAB-BA: Apoiada por Fabrício Castro, candidata Daniela Borges promete trazer gestão de vanguarda

"Movimento União Pela Advocacia": Daniela Borges e Christiane Gurgel oficializam pré-candidaturas a eleição da OAB-BA

Eleições OAB-BA: Ricardo Nogueira crítica “cota de discriminação por gênero”; veja o Fato & OpiniãoEleição 

OAB-BA: Ana Patrícia e Dinailton trocam farpas em pergunta sobre post nas redes da Ordem

Eleição OAB-BA: Ana Patrícia faz desafio a candidato rival em direito de resposta

Eleições OAB-BA: Dinailton Oliveira pede impugnação da candidatura de Daniela Borges

Eleições OAB-BA: Pesquisa com Ana Patrícia na liderança é de empresa de candidato da sua chapa

Questionada sobre suas propostas, entre elas a criação do Cadastro Estadual de Violadores de Prerrogativas, Daniela apontou que “não se negocia com as prerrogativas da advocacia”. “Elas são as ferramentas que nós temos para fazer o nosso trabalho, a defesa daqueles que nos procuram. Esse é um valor e partir disso nós temos várias propostas para avançar mais na defesa das prerrogativas”. 

“A gente precisa monitorar e identificar todos os casos de violação de prerrogativas de forma rápida e eficaz. E a partir daí a gente dá dois tratamentos. O primeiro tratamento é o ranking para que a gente possa ter ali toda advocacia conhecendo, inclusive, quais são os problemas, e toda a sociedade, porque quando a gente fala das prerrogativas da advocacia, são as prerrogativas para que a gente possa fazer a defesa dos nossos clientes”, continuou. 


CONFIRA A ENTREVISTA COMPLETA:

Classificação Indicativa: Livre