Justiça

Julgamento para abertura de PAD de juiz que teria criado grupo de WhatsApp e ofendido advogada é adiado

Reprodução/TJ-BA
Juiz é acusado de conduta irregular ao criar chat com mais de 300 advogados da região e ofender advogada  |   Bnews - Divulgação Reprodução/TJ-BA

Publicado em 20/06/2024, às 18h42   Victória Valentina



O Pleno do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) decidiu adiar, na quarta-feira (19), a análise da sindicância aberta pela Corregedoria-Geral de Justiça que recomendava a instauração de um processo administrativo disciplinar (PAD) contra o juiz Leonardo Santos Vieira Coelho, titular da 1ª Vara Cível de Teixeira de Freitas. Ele é acusado de conduta irregular ao criar um grupo de WhatsApp com mais de 300 advogados da região e divulgar documentos processuais.

O magistrado também é acusado de ter ofendido uma advogada em seu despacho, sugerindo que a profissional teria dificuldades de compreensão e apresentava falta de entendimento da realidade.

A defesa do juiz solicitou arquivamento da sindicância, alegando que a inteção do magistrado em criar um grupo no WhatsApp era para facilitar a comunicação com os advogados durante a pandemia de Covid-19.

Os advogados de Leonardo Santos Vieira Coelho alegaram ainda que o grupo era exclusivo para os profissionais que atuavam na comarca, além de dizer que a iniciativa dele foi reconhecida e elogiada pela imprensa local.

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp