Colunas / Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: O caçador

Imagem Na Sombra do Poder: O caçador

Os bastidores da politica baiana

Publicado em 19/05/2022, às 05h55 - Atualizado às 06h10        Editoria de Política

O caçador 
Um conhecido parlamentar está com a fama de caçador, com a campanha em ação. o pré-candidato não pode ver um playboyzinho passando que já manda seu cartão para a assessoria. O rapaz não se contém ao deixar sua esposa no seu lar e sair à caça de marmanjos pelo interior. Tem lobinhos já na mira do baiano, o caçador. 
Tarântula 
Em conformidade com a terrível espécie da aracnídeo, tarântula, uma parlamentar baiana tem sido alvo de comentários paçonhentos e sexistas no meio político. Isso porque a belíssima pré-candidata circula num meio extremamente machista, com olhares bem poderosos em suas presas. Uns quatro prefeitos confidenciaram à NSP que caíram na teia da aranha. Quem provou do seu veneno pelo interior do estado confessa que pra ela deixa tudo: casa, fazenda e até tratores espalhados pelas fazendas pelo interior. 
Relaxada
Não bastasse o inferno astral que o governo viveu dias atrás com a morte de policiais militares, além de uma onda de assaltos pela capital baiana, o secretário de Segurança Pública tratou de prolongar o caos. Causou perplexidade, para não dizer revolta, o gestor falar sobre uso recreativo de maconha e confessar que tem amigos que dizem que fumam a erva todos os dias “para dar uma relaxada”. 
De cacete
A oposição foi de cacete em cima do assunto e não teve relaxada certo. Pra piorar, um dia depois 400 delegados entregaram coletivamente seus cargos de confiança reclamando do tratamento, ou falta dele, dispensado pelo governador. 
Inadequado 
Até os governistas mais xiitas esquivaram de fazer defesa mais aguerrida do governo. Um deles, a despeito de topar o debate sobre legalização das drogas, considerou completamente inadequado que o chefe da segurança pública fazer tais considerações. Segundo ele, isso é um soco no estômago da tropa que arrisca a vida todos os dias em confrontos e perseguições que, por vezes, termina na apreensão de maconha. 
Garganteiro
Valendo-se da premissa do anonimato e segredo das pesquisas de consumo interno, muitos falastrões, se passando por interlocutores políticos, apresentam números, percentuais e cenários que mais parecem estórias de pescador. Um desses garganteiros passou vergonha ao ser desmentido publicamente numa roda de conversa onde vendia a peso de ouro a pré-candidatura de um sujeito que não vale nem latão. 
De desconhecido a rejeitado
Um aspecto que chamou atenção foi a proeza de Jerônimo Rodrigues saltar de desconhecido para o nome com maior rejeição, como mostrou a Real Time Big Data. Por outro lado, argumenta-se que a rejeição não recai sobre Jerônimo em si, mas no fato de sua associação a Lula e ao PT. Tal como ocorreu com João Roma, segundo mais rejeitado. 
Até quando?
Em outra ponta, é justamente por causa da associação aos seus respectivos presidenciáveis que Jerônimo e Roma conseguiram aparecer com percentuais mais animadores. A pergunta nos núcleos de campanha é até quando ACM Neto conseguirá a façanha de se manter na liderança usando essa estratégia de voo solo estadual num momento de forte polarização nacional. 
Caminhos
Por falar em estratégia, as campanhas de Jerônimo e Roma começam a discutir caminhos alternativos ou que se somem à ideia de manter suas plataformas nacionalizadas. 
Faltou combinar com os irmãos
Líderes de situação e oposição na Assembleia Legislativa da Bahia encaminhavam um acordo para dispensar formalidades de um projeto que prevê penalidades administrativas para casos de homofobia, mas o texto parou no meio do caminho. Deputados evangélicos e cristãos colocaram uma lupa na matéria para se certificar de que não estariam votando uma redação contrária às suas convicções e aos anseios do seu eleitorado. Depois de muita conversa e seguidas interrupções na sessão desta quarta, o melhor caminho foi deixar a questão para a próxima semana, sobretudo porque religiosos, como Samuel Jr, não estava no plenário. 
Um paraíso chamado TCM
Os corredores da AL-BA cochicham diuturnamente quem será o indicado da Casa à próxima vaga que se abrirá no TCM. O presidente Adolfo Menezes, apesar de dizer que o “Tribunal de Contas é melhor que o céu”, já se retirou da disputa por considerar que é a melhor posição em prol do seu grupo político. Fabrício Falcão e Ivana Bastos estão na pista, a despeito de publicamente minimizarem a ambição. Fora do processo eleitoral deste ano, o deputado Tom é o nome que transita com certa fluência entre os diferentes blocos, com chances reais de virar colega de Nelson Pelegrino. Mas a tendência é que tal definição só aconteça depois de outubro, quando as cartas do futuro político do estado estiverem postas à mesa. 
De busu 
Pré-candidato mais rebelde ao Palácio do Planalto, Ciro Gomes (PDT) tentará turbinar sua campanha na Bahia, onde desembarca no mês de junho. E já anunciou que vai percorrer os municípios de busu. A pergunta que fica é: vai se apresentar como o presidenciável de ACM Neto?
Defeitos especiais
Depois de atacar como Gulliver, o deputado estadual Roberto Carlos bancou o super herói The Flash. O homem de Juazeiro parece ter descoberto um pacote de defeitos especiais e está se divertindo com os trocadilhos. Veja a pérola:

Siga o BNews no Google Notícias e receba os principais destaques do dia em primeira mão.

Classificação Indicativa: Livre