Colunas / Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: o voo do falcão

Reprodução/Divulgação

Os bastidores da politica baiana

Publicado em 17/02/2022, às 05h55    Reprodução/Divulgação    Editoria de política

Um famoso advogado baiano está de volta ao jogo político. O rapaz, tido como um falcão no “game”, voltou a fazer voos rasos e a abocanhar suas presas com garras vorazes. Essa semana ele foi visto almoçando com um interlocutor do Thomé de Souza e jantando com um importante secretário do Governo do estado na orla de Salvador. Dizem as boas línguas que ele está de volta ao cenário local com OLHOS bem esbugalhados e mirando a joia da coroa local. A NSP avisa: quem muito quer, nada tem.

Oi, sumido!

Após ter a liberdade condicional dada pelo STF, algumas fontes entraram em contato com a coluna para dizer que Geddel já deu até expediente na sede do partido. Quer realmente voltar a ativa…

Coronel retou

Quem conhece o senador Angelo Coronel, acostumado com brincadeiras e o jeito sempre risonho, estranhou a reação do parlamentar ontem ao telefone com alguns correligionários. O experiente político perdeu a linha em alguns momentos após os boatos de que o senador Otto Alencar iria para o governo e Rui Costa poderia ir para o Senado. Ficou surpreso por não ter sido consultado e ter ficado de fora do almoço em São Paulo com Lula, Rui, Leão e Gleisi. Dizem as más línguas que a turma limou ele do processo, o que o deixou extremamente irritado, a ponto de desligar o telefone na cara de um famoso cacique baiano.

Fórmula de Rui

Eis o meme que melhor representa todas as conjecturas que surgiram desde que começou a especulação de Rui concorrer ao Senado e o que poderia desembocar.

Velório de véspera

Quem esteve em algumas secretarias e órgãos do governo chefiados por petistas durante a terça-feira jurava que sentia o clima de velório diante da desarrumação da chapa governista na Bahia e a possibilidade Wagner não ser candidato, e sim Otto Alencar.

Wagner bateu asas e voou

Wagner, a propósito, bateu asas e voou para os Estados Unidos logo após o tsunami político que protagonizou. A assessoria dele diz que o senador foi em missão oficial. Oficial ou não, o petista sênior vai respirar aliviado por alguns dias longe da tensão que se criou no campo governista. Dizem que talvez por lá consiga encontrar o resultado para a equação que Rui Costa apresentou.

Na cola de Nilo

Um observador da política chamou atenção para o fato de que a ambição de Rui pelo Senado pode ser apenas para derrotar Marcelo Nilo, que quer chegar à Casa Alta pela chapa de ACM Neto. A conferir. Teve gente que, inclusive, ouviu Nilo dizer que o sonho da vida dele seria derrotar Rui na corrida do Senado. Será?

Na base do se

Se Rui e Leão renunciarem o cargo para serem candidatos ao senado e a suplente como apontou Lauro Jardim, quem assumiria o governo não seria Adolfo Menezes, a não ser que ele não quisesse concorrer a reeleição a deputado. A interinidade cairia ao presidente do TJ. Ele, seguindo o rito do artigo 102 da Constituição Estadual, convocaria a eleição indireta. Tudo que chegou até agora é na base do SE: SE Lula for eleito, SE Rui renunciar, SE alguém vai ser ministro, SE Leão assumir, SE Otto foi para o governo, SE os deputado não vão dar um golpe. É aquela máxima: todo mundo contando com o ovo no fiofó da galinha.

Possibilidade, com P de PSB

Quem também está no jogo das possibilidades é Fábio Vilas-Boas. O ex-secretário de Saúde está atirando para todos os lados em busca de abrigo partidário que patrocine sua tentativa de chegar à Câmara dos Deputados em Brasília. O flerte da vez foi com o PSB. Fábio foi flagrado nessa quarta em um restaurante do Salvador Shopping trocando figurinha com o emissário do partido Rodrigo Hita. Vale lembrar que a cacique da legenda, Lídice da Mata, foi incisiva em dizer que “a postura do então secretário foi machista e inaceitável” no episódio da confusão com a chef de cozinha.

Tomou as rédeas

Chamou a atenção de quem estava presente na apresentação do projeto de requalificação das Dunas de Itapuã a fala do ex-prefeito ACM Neto (União Brasil) diante de protestos de adeptos de religiões de matriz africana. Em meio à confusão, o pré-candidato a governador falou como chefe do Palácio Thomé de Souza e deu o encaminhamento: “a equipe do prefeito Bruno Reis vai dialogar com vocês. O próprio prefeito vai dizer isso daqui a pouco. A gente faz as coisas ouvindo as pessoas”.

“Um tom a mais, outro a menos”

O discurso de não vinculação política na polêmica ordem de serviço para as obras do Monte Santo, em Itapuã, não conseguiu ser sustentado por muito tempo. Tanto no momento da solenidade no turno matutino quanto na reunião para tentar a chegar a denominador comum, à noite, a vereadora Maria Mariguella (PT) não se segurava quando precisava orientar os manifestantes. Chamava no canto e sem muita cerimônia dava as coordenadas sobre a forma com que os manifestantes deviam se comportar. O curioso é que a legisladora, por sua vez, adotava um tom muito mais brando do que os manifestantes.

Lá e lô

Presidir um partido que é um dos pilares da base aliada de Jair Bolsonaro (PL) e apoiar localmente o PT? Parece difícil, mas é o que faz o deputado federal Cláudio Cajado, que assumiu nessa semana a presidência nacional do PP. É bem dizer verdade que ele não é o único parlamentar “bolsorui” da bancada baiana... É o famoso “lá e lô”.

Subiu o tom

Enviados pelo governo à Assembleia Legislativa da Bahia, os dois projetos que visam adequar a Embasa ao novo marco legal do saneamento não devem ter a costumeira vida fácil das matérias governistas na Casa. Na primeira vez que entraram na pauta de votação, nesta quarta (16), os textos, que são vistos como um pontapé inicial para a abertura de capital da empresa pública, foram alvo de críticas e a apreciação subiu no telhado por falta de quórum. Teve até deputado da base petista subindo o tom contra a proposta. “A Embasa não pertence a um governo que dura quatro anos", disparou Marcelino Galo (PT).

Lombardi

Uma superintendente da Sesab ganhou um apelido curioso nos bastidores. Sem mostrar a cara, está sendo chamada de Lombardi - antigo locutor de Sílvio Santos que mantinha segredo sobre sua identidade - e estaria perseguindo servidores, conseguindo fazer trocas na pasta, nomeando gente da sua patota e incomodando os servidores mais antigos.

Ana Furtado

Por falar em personalidade, quem também ganhou apelido famoso foi Andrea Mendonça – irmã do presidente do PDT na Bahia, Félix Mendonça Jr. Ela vem sendo chamada nos bastidores de Ana Furtado, aquela apresentadora da Rede Globo que virou meme nas redes por ser a substituta oficial dos titulares da emissora. Agora Andrea Mendonça Furtado é a indicada do PDT para substituir Fábio Mota na Secult. Diante do currículo vasto e atuações em espaços diversos, já tem gente propondo criar uma Secretaria de Assuntos Aleatórios e deixar a Furtado baiana por lá em definitivo.

Duro

Mas quem ganhou fama mesmo foi o deputado estadual Alan Sanches. Ele entrou em uma roda de samba duro, em Itacaré, no Sul da Bahia, no último final de semana, e fez jus ao nome do samba. Como faltou molejo, Sanches até ensaiou uma ginga de capoeira. No final das contas, ganhou até beijinho da baiana.

Classificação Indicativa: Livre