Política

Agendas de João Doria têm baixa adesão em MG e Aécio ironiza falta de apoio

George Gianni/PSDB

Publicado em 03/10/2021, às 14h20    George Gianni/PSDB    Folhapress

As agendas do governador de São Paulo, João Doria, em Minas Gerais neste final de semana praticamente não conseguiram reunir prefeitos, vereadores e deputados, eleitores cujos votos têm mais peso nas prévias tucanas.

A baixa adesão dos mandatários motivou ironias de Aécio Neves, principal apoiador no estado do seu rival, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

"O Doria inaugurou em Minas o evento 'nem nem'. Nem um prefeito, nem um vereador. É a nova modalidade de campanha sem eleitor", disse o deputado.

Leia mais: Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite tenta criar frente anti-Doria em São Paulo

Os dois tucanos têm trocado ataques há um tempo. Aécio chegou a levantar a possibilidade do partido abrir mão da candidatura para unir o centro político. ​

No jantar na sexta (1), somente o deputado Domingos Sávio, vice-presidente nacional do PSDB, e um prefeito do partido estiveram presentes. No sábado, em agenda na cidade de Betim, nenhum tucano eleito apareceu.

O PSDB de Minas tem 84 prefeitos, 63 vices, 731 vereadores, cinco deputados federais e cinco estaduais.
Os apoiadores de Doria, porém, classificam a passagem por Minas Gerais como positiva.

A leitura é que Leite, por causa do apoio de Aécio, acreditava ter 100% dos votos mineiros e a presença do deputado Domingos Sávio mostrou que há espaço no estado para o governador paulista.

Leia mais: PSDB estima perder até dez deputados em próxima janela partidária

Na visão deles, outros tucanos mineiros sinalizaram apoio, mas evitam aparecer por causa da hegemonia do grupo de Aécio no diretório estadual.

Classificação Indicativa: Livre