Política

Com desdém, Lúcio Vieira Lima rebate denúncia da Veja

Imagem Com desdém, Lúcio Vieira Lima rebate denúncia da Veja

Publicação acusa o presidente do PMDB de contratar empresa fantasma

Publicado em 15/01/2013, às 06h44        Adelia Felix (Twitter: @adelia_felix)


O presidente estadual do PMDB, Lúcio Vieira Lima, rebateu as supostas denúncias feitas pela revista Veja.

Nesta semana, a publicação informou que o deputado federal destinou R$ 110. 700 de sua verba indenizatória para as empresas Global Transportes e Executiva, ambas registradas em nome de laranjas.

Ainda de acordo com a Veja, desde que assumiu o mandato, há dois anos, Lúcio Vieira Lima repassou R$ 75. 300 à Global e R$ 35.400 à Executiva. Por trás das duas empresas está César Cunha, conhecido ex-assessor do PMDB.

E na noite da última segunda-feira (14), o parlamentar disse ao Bocão News que "não contratei empresa nenhuma, alugo um carro que me serve, onde sento, dirijo, buzino, portanto não é fantasma".

De acordo com a lei, a cota para o exercício da atividade parlamentar, conhecida como verba indenizatória, disponibiliza cerca de R$ 30.000 por mês para gastos relativos aos mandatos dos deputados, como passagens aéreas, contas de telefone, aluguel de carros e combustível. E segundo a Veja, o deputado teria transferido mensalmente parte desses recursos para empresas de fachada.

Em sua defesa, o peemedebista disse que não fez transferência de dinheiro e que a Câmara reembolsa o valor do aluguel desde que esteja dentro das normas, "e se reembolsou é porque está".

O deputado afirmou ainda que continuará usando os serviços das empresas Global Transportes e Executiva: "Continuarei alugando o mesmo veículo pois estou satisfeito com o serviço".


Lúcio Vieira Lima é acusado de contratar empresa fantasma


Classificação Indicativa: Livre