Política

Carlos e Flávio competem por controle da pré-campanha de Bolsonaro

Reprodução / Redes Sociais

Caminhos tomados para a comunicação da pré-campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) tem gerado atritos entre Carlos e Flávio

Publicado em 09/06/2022, às 08h37    Reprodução / Redes Sociais    Redação / BNews

Os caminhos tomados para a comunicação da campanha à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL) têm gerado atritos entre irmãos. Enquanto a equipe liderada pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) tem usado as redes sociais de forma mais ‘agressiva’, no jogo que busca cativar cada vez mais os eleitores ‘ferozes’ da militância bolsonaristas, Flávio Bolsonaro (PL-RJ) fica responsável pelas mídias de TV e rádio. E nesse último caso, o desafio é criar uma ponte com segmentos que são conservadores, mas moderados.

E a tensão entre as estratégias dos irmãos ficou mais latente após episódios como o da crítica do ‘zero dois’, Carlos Bolsonaro, ao slogan “Sem pandemia, sem corrupção, com Deus no coração. Ninguém segura esta nação”, que foi ao ar na rede de televisão no último dia 2. “Vou continuar fazendo o meu aqui e dane-se esse papo de profissionais do marketing…. Meu Deus! ”, escreveu no Twitter.

O ataque também atingiu em cheio o trabalho de Duda Lima, que é o publicitário considerado o ‘cérebro’ das rotas tomadas por Bolsonaro na TV e no rádio. Quando disputou as eleições pela primeira vez, em 2018, a campanha do atual presidente foi focada principalmente nas redes socais, pois tinha direito a apenas 8 segundos de espaço nos canais de televisão abertos.

Leia Mais:

Saiba quanto o pacote de Bolsonaro pode baixar no preço da gasolina

Câmara fará audiência pública sobre 'CPI do sertanejo'; saiba o que pode acontecer

Conquista: PT alega que Sheila Lemos ainda pode ser cassada

No entanto, agora é necessário também pensar estratégias para as outras mídias. E a tarefa não parece ser fácil. Nos bastidores, aliados de Bolsonaro julgam não ser possível unir as estratégias dos irmãos Carlos e Flávio. Mas reconhecem que terão que conquistar mais eleitores que aqueles adquiridos por redes como o Twitter o Instagram.

Siga o BNews no Google Notícias e receba os principais destaques do dia em primeira mão.

Classificação Indicativa: Livre