Saúde

Além da cura: Entenda a importância do apoio psicológico em pacientes com câncer de próstata

Baque do diagnostico pode acarretar em problemas de ordem psicológica no paciente - Divulgação | Shutterstock
Rede de apoio pode ser muito importante para ajudar o paciente a lidar com a situação  |   Bnews - Divulgação Baque do diagnostico pode acarretar em problemas de ordem psicológica no paciente - Divulgação | Shutterstock
Alex Torres

por Alex Torres

[email protected]

Publicado em 30/11/2023, às 05h00 - Atualizado às 05h00


FacebookTwitterWhatsApp

Certamente o diagnostico de uma doença tão séria quanto o câncer de próstata traz consequências, não somente físicas, mas também psicológicas para o paciente. Além de situações como ansiedade e depressão, o indivíduo pode acabar tendo problemas com autoestima, entre outras questões, que podem impactar negativamente em seu convívio social.

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp

Para tratar destes casos, um acompanhamento psicológico pode se fazer extremamente necessário. No universo da psicologia, existem diversas abordagens que podem ser utilizadas pelo profissional. Apesar da variedade, não existe um perfil melhor do que o outro e a eficácia no tratamento estaria mais relacionada com a identificação do paciente ao profissional.

Em contato com o Bnews, o psicanalista Antônio Sérgio Lopes falou sobre os principais quadros que podem ser acarretados após a descoberta da doença.

"Lidar com a doença é um processo. A depender do resultado, ela pode ser terminal ou não. Então como lidar com isso? Quem tem histórico de ansiedade pode intensificar, pode desenvolver a depressão, terminar ficando um pouco agressivo com pessoas mais próximas, ficar mais irritado ou impaciente. Porque isso é um processo de aceitação", explicou.

Na análise do psicólogo, o diagnóstico do câncer de próstata pode fazer com que o indivíduo masculino perceba uma posição de fragilidade. A partir deste momento, problemas como frustração e de ordem sexual também podem surgir.

"Historicamente, o homem é colocado no lugar de poder, de indivíduo não frágil. Então quando ele aparece na clínica por um resultado de doença, como o caso do câncer de próstata, ele recebe uma mensagem de fragilidade. Isso acarreta frustrações e até a própria masculinidade com a questão da potência sexual, se deparar com outras questões", contou.

gpoj
Antônio Sérgio Lopes, psicólogo - Foto: Arquivo Pessoal

Desempenho sexual e autoaceitação

A queda no desempenho sexual, acarretada pelo câncer de próstata, influencia em diversas esferas o bem estar do indivíduo. Problemas como disfunção erétil e também incontinência urinária são relatadas por pacientes. Entre as principais consequências, está a forma como o homem passa a olhar para si mesmo.

"A autoestima vai muito da aceitação do indivíduo. Compreender que somos falhos e somos finitos. Então o paciente vai fazer esse caminho da autoaceitação, que ele vai além de uma potência sexual. Ele pode desenvolver esse prazer em outros locais. Ele pode ter afeto e não ser somente buscar isso no ato em si. O homem fica mexido com esse aspecto da potência de uma forma geral"

Sérgio explica que os sintomas descritos podem ser tratados de forma medicamentosa. Agora, podem ocorrer situações em que aconteça uma falta de apetite sexual por questões psicológicas, onde, mesmo com tudo "funcionamento perfeitamente", o paciente não consegue ter uma ereção em decorrência destes fatores externos.

Rede de apoio

Para enfrentar a dura batalha contra o câncer, ter pessoas de confiança por perto seria algo extremamente importante durante o processo do tratamento. Nestes casos, os profissionais podem, inclusive, conversar com acompanhantes dos pacientes para orientar melhor sobre como acolher o paciente.

"Essa rede de apoio é fundamental. O psicólogo pode chamar uma pessoa que esteja acompanhando para orientar, pode ter uma conversa paralela. Se for um caso terminal, como vai ser esse processo de despedida. Essa coisa de deixar de trabalhar para curtir um pouco mais e aproveitar a vida", afirmou.

Em casos que o paciente tenha esposa, por exemplo, o psicólogo explica que uma melhor compreensão do quadro pode ser muito importante para o bem estar do homem, principalmente para ele também não terminar se cobrando pela situação.

Por fim, Sérgio deixa uma importante mensagem no que diz respeito às pessoas que estarão ao lado dos pacientes neste momento. "Orientar a não infantilizar o paciente e respeitar esse processo do indivíduo. A pessoa não é uma coitadinha. Então é importante tudo isso. Precisamos filtrar quem é rede de apoio e quem não é. Evitar pessoas abusivas ou que não compreendam esse quadro".

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp