BNews Turismo

Nordeste teve o maior índice de faturamento e embarques em 2021; confira dados

Reprodução / Fabio Rodrigues Pozzebom - Agência Brasil

Nordeste é líder em faturamento e embarques em 2021

Publicado em 11/04/2022, às 14h32 - Atualizado às 16h55    Reprodução / Fabio Rodrigues Pozzebom - Agência Brasil    Redação BNews

O Nordeste teve índice recorde no número de embarques aéreos e terrestres (7,4 milhões ao longo de 2021). O Anuário Braztoa especifica como foram as vendas das empresas associadas ao longo do ano passado. O relatório detalhado mostra que, nacionalmente, o Nordeste permanece sendo a região de maior demanda com 67% de faturamento doméstico e 85,5% dos embarques, seguido pelo Sudeste (11,2% faturamento e 4,7% de embarques) e pelo Sul (9% de faturamento e 6,8% de embarques). Norte e Centro-Oeste ficaram abaixo de 3% do total nacional.

Salvador e Praia do Forte foram as cidades preferidas dos turistas, liderando o pódio dos brasileiros, seguidos por Natal, Gramado e São Paulo. Destaca-se que as atrações mais vendidas foram resorts, praias e Natal Luz. Mais de 2,3 milhões de diárias em meios de hospedagem brasileiros foram comercializadas no período.

Tíquete médio e perfil das viagens

Segundo informa a Braztoa, com o aumento no volume de viagens realizadas, identifica-se uma redução de 15,7% no tíquete médio dos roteiros domésticos em comparação a 2020, e de 45,8% em relação a 2019 chegando ao valor médio de R$ 820,55. "Esse número pode, em parte, ser explicado pela execução das viagens compradas nos anos anteriores, uma vez que o tíquete médio é calculado pelo faturamento do ano de 2021 e pelas viagens realizadas no mesmo ano. Esta redução também pode estar relacionada ao aumento da frequência das viagens e redução da sua duração, pela alteração dos produtos comprados, com reforço do terrestre, dentre outros fatores", explica a CEO da Sprint Dados, Rayane Ruas.

Em relação à duração das viagens, os roteiros de média duração (cinco a nove dias) foram os mais aclamados, alcançando 61% dos passageiros embarcados dentro do Brasil, e 79,8% dos internacionais.

Leia mais:

Áreas de risco na região dos Cânions do Xingó estão sendo mapeadas pelo Serviço Geológico
Estados vão avaliar áreas turísticas suscetíveis a desastres
Turismo e comércio de Capitólio sentem efeitos da tragédia que deixou 10 mortos

Sobre o tipo de experiência vendida, as completas – aqueles que envolvem a parte terrestre e aérea – representam 45% do faturamento, enquanto as viagens que englobam apenas a parte terrestre, sem aéreo, foram responsáveis por 34,7%. Vale ressaltar que, para a aquisição de viagens, a opção de pagamento parcelado em mais de cinco vezes atendeu a maior parte dos clientes (63%). O cartão de crédito e o boleto se confirmam como os principais meios de pagamento, sendo utilizado em 50% e 49% das vendas, respectivamente.

Quando o assunto é antecedência da compra, no mercado doméstico, 51% aconteceram no mês da viagem ou no mês anterior, ou seja, compra para consumo quase imediato. Para o internacional, as aquisições foram realizadas entres dois e seis meses antes. 75% das vendas feitas integralmente por meio digital e 23%, pelas lojas físicas.

Siga o BNews no Google Notícias e receba as principais notícias do dia em primeira mão.

Classificação Indicativa: Livre