Eleições / Eleições 2022

Lula encontra Boulos e empurra debate sobre divisão da esquerda em SP

Arquivo Agência Brasil

Pré-candidato ao Governo de São Paulo pelo PSOL, Guilherme Boulos, se reuniu com o ex-presidente Lula (PT)

Publicado em 01/02/2022, às 14h57    Arquivo Agência Brasil    Folhapress

O pré-candidato ao Governo de São Paulo pelo PSOL, Guilherme Boulos, se reuniu nesta terça-feira (1º) pela manhã com o ex-presidente Lula (PT). O tema da conversa foi o apoio do PSOL à candidatura do petista ao Planalto, segundo apurou a reportagem da Folha de São Paulo.

O encontro ocorre no momento em que a esquerda está dividida em São Paulo, já que o PT vai lançar o ex-prefeito Fernando Haddad para o Palácio dos Bandeirantes. Há ainda a pré-candidatura de Márcio França (PSB) no campo progressista.

A reunião foi tratada como um encontro informal entre Boulos e Lula -os presidentes do PT e do PSOL não participaram. Ficou acertado que haverá nova reunião, dessa vez com os dirigentes dos partidos, para deliberar também a questão das candidaturas em São Paulo. "Hoje conversei com meu amigo Guilherme Boulos sobre a situação do país e os próximos passos da caminhada para recuperarmos um governo democrático e um projeto social e soberano para o Brasil", escreveu Lula em suas redes sociais.

"Agradeci o apoio e parceria do PSOL nos últimos anos e salientei a importância do partido não só na disputa eleitoral, mas no desafio de governar e construir um Brasil mais justo e solidário", completou.
De acordo com políticos próximos a Lula, o ex-presidente conversou com Boulos sobre os apoios de partidos que tem buscado para a sua candidatura e quis saber sobre a situação no PSOL. O partido definiu por 56% a 44%, em um congresso realizado em setembro passado, que iria apoiar a campanha do PT e não iria lançar candidato próprio ao Planalto.

O PSOL tem, no entanto, exigências para o programa de governo petista, como a inclusão de pautas de esquerda -a revogação de reformas e do teto de gastos, a implementação de uma reforma tributária, políticas ambientais, entre outros.

Boulos afirmou ao ex-presidente que a aliança poderia avançar a partir de fevereiro, quando o PSOL fará uma reunião de sua comissão executiva para tratar dessas questões programáticas.
Enquanto Lula fez um gesto de aproximação com o PSOL, o deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ), que prega uma candidatura própria do partido ao Planalto, também abordou o tema nas redes sociais nesta terça.

O partido deve marcar uma conferência eleitoral, em março ou abril, para colocar em votação novamente o apoio da sigla ao PT. "A conferência do PSOL vai decidir se o partido lança pré-candidatura ou apoia Lula no 1º turno. Eu fui indicado por 44% do partido pra essa tarefa. Hoje, não estou vendo movimentação entre os 56% que venha a modificar a decisão deles de abrir mão da candidatura própria", escreveu.

"Eu me mantenho firme, à disposição de camaradas que me indicaram pra debater o nosso programa, até o momento que acharem necessário", seguiu. "Depois de muito refletir, no recesso, a decisão é não ser candidato a reeleição pra deputado. Se o PSOL não tiver candidatura presidencial, sigo militando na base pra derrotar a extrema-direita e em defesa do socialismo."
Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, Lula pediu o encontro com Boulos em meio a conversas entre petistas e psolistas a respeito das campanhas de Haddad e do líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto). Ainda nesta semana, Boulos também se reunirá com França.

A avaliação entre membros do PT e do PSOL é a de que o cenário ideal seria a unificação das candidaturas ao Governo de São Paulo para evitar a fragmentação dos votos progressistas. Com a direita bolsonarista dividida e o candidato do PSDB, Rodrigo Garcia, sem destaque nas pesquisas, os partidos veem uma chance inédita para a esquerda no estado.

As negociações estão em aberto, e os dois pré-candidatos mostram disposição para o diálogo. Dirigentes de ambos os partidos já admitem, porém, ser possível que Haddad e Boulos se enfrentem no primeiro turno e se apoiem no segundo.

Petistas veem a candidatura de Haddad como a mais consolidada e com mais chance de vitória no campo da esquerda. Com o ex-prefeito à frente dos demais progressistas nas pesquisas, o PT não vê sentido em abrir mão dele por uma eventual federação partidária com o PSB ou para abrir espaço para Boulos.

Siga o BNews no Google Notícias e receba os principais destaques do dia em primeira mão!

Classificação Indicativa: Livre