Esporte

Treinador português é preso após denúncia de racismo contra zagueira do Bahia; vítima se pronuncia

Reprodução/Redes Sociais
Crime de racismo teria acontecido após a partida que deu o acesso às Mulheres de Aço  |   Bnews - Divulgação Reprodução/Redes Sociais
Marcelo Ramos

por Marcelo Ramos

[email protected]

Publicado em 09/07/2024, às 11h17



O técnico do JC, Hugo Duarte, foi preso após ter sido acusado de injúria racial pela zagueira Suelen, do Bahia. O crime teria acontecido durante a comemoração do acesso das Mulheres de Aço à Série A1 do Brasileirão Feminino, em Pituaçu, na segunda-feira (8).

A Polícia Militar foi acionada e conduziu Hugo Duarte, que é português, à Central de Flagrantes da 1ª Delegacia para realização de boletim de ocorrência. Ele foi preso em flagrante.

Veja o momento em que o treinador foi conduzido pela polícia:

Uma fonte ligada ao Bahia relatou ao BNews que funcionários do clube passaram a madrugada na delegacia prestando depoimento aos policiais.

“Ficamos sabendo do crime ainda em campo. Imediatamente acionamos a guarnição da Polícia Militar. Ficamos até duas da manhã sendo ouvidos, vítima e testemunhas”, disse a fonte.

Na manhã desta terça-feira (9), Suelen usou as redes sociais para falar sobre o crime. Segundo a vítima, a "denúncia é a arma para combater o racista".

“A Constituição Brasileira delineia o direito de ser tratado como igual perante os demais membros da sociedade, sem discrição de etnia e raça. Entretanto, lamentavelmente, ontem, na partida que garantiu o tão esperado acesso para a elite do futebol brasileiro, fui submetida ao ato de racismo praticado pelo criminoso treinador do time adversário, pois utilizou de mecanismo de opressão para inferiorizar minha negritude. A naturalização que se foi proferida mais de uma vez pela expressão racista “macaca” tenta silenciar a minha figura como mulher preta no esporte, porém o ato denúncia é a arma que tenho para combater o racista. Agradeço às minhas companheiras, família e ao @ecbahia por todo o suporte e acolhimento”, afirmou.

O JC, clube do Amazonas, ainda não se pronunciou oficialmente sobre o caso.

Veja a nota da Polícia Civíl:

“O HOMEM SUSPEITO DE INJÚRIA RACIAL CONTRA UMA JOGADORA DO BAHIA FOI CONDUZIDO PARA A CENTRAL DE FLAGRANTES POR UMA EQUIPE DO BATALHÃO ESPECIALIZADO DE POLICIAMENTO EM EVENTOS (BEPE), SENDO AUTUADO EM FLAGRANTE NA NOITE DE SEGUNDA-FEIRA (8), FICANDO À DISPOSIÇÃO DA JUSTIÇA.”

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp