BNews Nordeste

Proposta de reajuste salarial de professores gera protesto em Natal

Reprodução/ site Câmara Municipal

valores enviados pela prefeitura para aprovação da Câmara são contestados pela categoria de ensino e parlamentares pedem negociação

Publicado em 06/04/2022, às 09h18    Reprodução/ site Câmara Municipal    Redação

Professores protestam na frente da Câmara de Vereadores de Natal contra os valores apresentados no projeto de reajuste salarial. enviado para aprovação emergencial. pelo prefeito, Álvaro Dias (PSDB), nesta terça-feira (5). A categoria reclamou também da falta de negociação do Poder Executivo.

Diante das reivindicações, os vereadores pediram que o Município abra uma mesa de negociação com os trabalhadores da educação antes do projeto ser votado. Parte dos parlamentares apontou ainda que o reajuste apresentado não corresponde ao valor correto recebido pelos professores da rede municipal atualmente.

Leia mais:

Alagoas terá eleições indiretas antes das eleições de outubro; entenda

Prefeitura gasta mais de R$ 200 mil com serviços em borracharia

Projeto de Lei propõe homenagem a Paulinha Abelha em locais públicos de Sergipe

Em Natal, os professores da rede municipal de ensino estão em greve desde 28 de março. Eles reivindicam o reajuste do piso nacional do magistério de 33,24%, autorizado pelo governo federal em janeiro desse ano.

"No piso nacional, um professor de 20 horas recebe cerca de R$ 1,9 mil, mas em Natal recebe R$ 2,5 mil. O reajuste tem que ser em cima de R$ 2,5 mil e não de R$ 1,9 mil. Esse é o problema. Da forma que chegou hoje a Câmara não vai ter na pratica um reajuste salarial dos professores", alegou a vereadora Brisa Bracchi (PT).

Em defesa, a prefeitura alega que a atualização salarial atual "está dentro do que a secretaria tem condições de pagar". "Estamos avaliando todo o outro impacto que o Sinte [Sindicato do Trabalhadores em Educação] vem pleiteando, que seria um novo reajuste 33,24% dentro do que o município já paga", pontuou o secretário adjunto do município, Paulo Barra. Ele acrescentou que não há capacidade de programar o reajuste, já que "ainda não tem uma perspectiva de receita plausível".

Siga o BNews no Google Notícias e receba as principais notícias do dia em primeira mão.

Classificação Indicativa: Livre