Política

Dobradinha no Congresso? Davi Alcolumbre e Antônio Brito participam de posse no TSE lado a lado

Reprodução / Redes Sociais
Brito e Alcolumbre pretendem disputar as presidências da Câmara e do Senado, respectivamente  |   Bnews - Divulgação Reprodução / Redes Sociais
Lucas Pacheco e Henrique Brinco

por Lucas Pacheco e Henrique Brinco

[email protected]

Publicado em 04/06/2024, às 11h57 - Atualizado às 12h16



O deputado federal Antônio Brito (PSD-BA) e o senador Davi Alcolumbre (União - AP) acompanharam a posse da ministra Cármen Lúcia no cargo de presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) 'juntinhos' nesta segunda-feira (03). Inclusive o registro foi postado pelo senador em suas redes sociais. Brito e Alcolumbre pretendem disputar as presidências da Câmara dos Deputados e do Senado, respectivamente, em fevereiro de 2025.

Veja:

Davi Alcolumbre é o nome de preferência do atual presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e desponta como candidato único. Já Brito, não é o favorito do atual mandatário da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que prefere outro baiano, Elmar Nascimento (União), mas segue tentando se cacifar no páreo, buscando o apoio do Palácio do Planalto que resiste ao nome de Elmar. 

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp!

Um ponto importante é que, por mais que o presidente Lula (PT) precise trocar apoios com partidos do Centrão para tentar formar uma base governista nas duas casas legislativas, é quase consenso que o Planalto não pretende entregar o comando da Câmara e do Senado a um mesmo partido. Se no Senado Alcolumbre se mantiver como candidato único, na Câmara partidos de esquerda devem buscar um outro nome de fora do União Brasil. E é aí que Brito ganha fôlego. 

O amor entre Rodrigo Pacheco e Lula 

Se por um lado Davi Alcolumbre é o nome de Rodrigo Pacheco (PSD) para sua sucessão no Senado, Antônio Brito é do mesmo partido de Pacheco e líder da legenda na Câmara dos Deputados. 

E outra dupla que acompanhou a posse de Cármen Lúcia lado a lado e cheia de conversas de pé de ouvido, gestos de cumplicidade e gargalhadas foi exatamente Rodrigo Pacheco e o presidente Lula. 

Há quem diga que o motivo das gargalhadas foi uma piada com a cumplicidade de Davi Alcolumbre e de Antonio Brito no evento. 

Será essa a dobradinha de aposta do Palácio do Planalto para as eleições de fevereiro de 2025 no Congresso?

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp