Política

Tabata reage após Marçal dizer que ela tem culpa pela morte do pai: 'Nojento'

Reprodução
Marçal insinuou que a deputada abandonou o próprio pai no Brasil para viajar aos Estados Unidos  |   Bnews - Divulgação Reprodução

Publicado em 05/07/2024, às 09h16   Rebeca Silva



O coach bolsonarista Pablo Marçal (PRTB), pré-candidato a prefeito de São Paulo, fez uma declaração considerada difamatória contra a deputada Tabata Amaral, que também disputa o posto em outubro, durante  entrevista a um podcast da IstoÉ.

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp

O pré-candidato insinuou que a deputada abandonou o próprio pai no Brasil para viajar aos Estados Unidos e deixou ele morrer. 

"Se quer ser prefeita, que ela cresça. Uma pessoa que passou por mais problemas é mais tarimbada para governar, e eu passei por mais problemas que ela. Eu também vim da periferia. Eu também tive um pai que foi alcoólatra, mas a família ajudou e ele deixou o alcoolismo. Já sobre o pai dela, ela foi pra Harvard, e o pai dela acabou morrendo. Governar e ser vítima na mesma pessoa não tem como", disse.

Após a declaração do pré-candidato, a deputada usou as redes sociais para rebater as acusações. Tabata afirmou que cresceu em uma família "muito humilde" e que o pai era o seu maior apoiador, porém era bipolar e não chegou a ser diagnosticado. A parlamentar explicou que, ao longo da vida, o pai desenvolveu alcoolismo e vício em crack.

"Ele (Marçal) insinuou em uma entrevista que meu pai morreu por minha culpa. Que eu deixei ele aqui doente e fui estudar nos Estados Unidos. Esse é um assunto muito difícil, mas vim esclarecer para nenhum cretino usar a história do meu pai contra mim novamente", disse.

Tabata afirmou que chegou a desistir de estudar nos Estados Unidos após a morte do pai, mas mudou de ideia pouco tempo depois e continuou ajudando a família mesmo distante.

"No fim, ele estava sofrendo demais. Na mesma semana em que fui aceita em Harvard (universidade nos Estados Unidos), ele cometeu suicídio. Foi o momento mais difícil da minha vida. Mas eu estava aqui quando ele morreu, não estava fora. Então, essa baixaria do Pablo Marçal sequer faz sentido. Com 18 anos, eu estava em um país estranho, estudava o dia inteiro e trabalhava à noite como babá para mandar dinheiro para a minha mãe. Pablo Marçal, com essa mesma idade, fazia parte de uma quadrilha de banco — alegou a deputada sem dar mais detalhes. — Não vai ser esse sujeitinho que vai me intimidar", afirmou.

Não é a primeira vez que o coach faz comentários como esses contra a deputada, Marçal já deu uma declaração dizendo que Tabata não poderia ser prefeita de São Paulo "porque não era casada".

Tabata rebateu a fala dizendo que "pelo menos não era coach messiânica e estelionatária", numa clara referência à "carreira" que deu fama e notoriedade a Marçal.

Segundo informações do site Metrópoles, Pablo Marçal, já foi condenado, em 2010, por participar de uma quadrilha que desviou dinheiro de bancos.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Marçal tinha ligação com dois homens acusados de chefiar a quadrilha. Ele captava e-mails que seriam infectados com programas invasores e consertava os computadores usados pelos criminosos.

Em 2018, teve a pena extinta, por prescrição retroativa.

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp