Cultura

Secretário se isenta de leilão do Arquivo Público: "é débito antigo"

Dinaldo Silva/BNews

Publicado em 08/11/2021, às 10h46    Dinaldo Silva/BNews    João Brandão e Luiz Felipe Fernandez

Com o leilão marcado para esta segunda-feira (8), o Arquivo Público na Bahia foi reformado em 2020, mas mal deu tempo das suas instalações novas serem visitadas.

Em conversa com a imprensa nesta manhã, o secretário de Turismo do Estado (Setur), Maurício Bacelar, justificou que o "débito" do terreno localizado na Baixa de Quintas e que foi penhorado, é da Bahiatursa, extinta em 2018.

"É um débito antigo da Bahiatursa, que não tem relação nenhuma com a atual secretaria do estado. Foi extinta em 2018 e o que existe hoje é uma superintendência dentro da Setur, que manteve o nome por tradição", argumenta.

Questionado sobre a dívida do estado, Bacelar se limitou a dizer que esta é uma atribuição da Secretaria de Administração e da "procuradoria-jurídica" da Bahia.

PRÉDIOS HISTÓRICOS

O titular da Setur contou que a pasta selou um protocolo de cooperação com o governo de Portugal para revitalizar prédios e casarões históricos na capital baiana para serem transformados em equipamentos turísticos.

Um dos pontos mais famosos que terá essa destinação é o Palácio Rio Branco, desapropriado e que será vendido para dar lugar a um hotel de luxo.

"Reativamos o protocolo de intenções de cooperação técnica com o governo português para aproveitamento de prédios históricos com fins turísticos. Óbvio que estamos com esse olhar de aproveitar prédios históricos para serem utilziados no turismo. Um deles será o Palácio do Rio Branco, que vai ter uma licitação e ele será transformado em um grande hotel", afirmou Bacelar durante a entrega da reforma da Igreja Nossa Senhora da Saúde e Glória, localizada na Praça Severino Ribeiro, no bairro da Saúde.

Classificação Indicativa: Livre