Economia

Servidores do Banco Central em greve ameaçam intensificar o movimento e interromper parcialmente o Pix

Agência Brasil

Uma rodada de negociações está marcada com o governo para terça-feira (5/4), às 10h30

Publicado em 04/04/2022, às 10h53 - Atualizado às 11h43    Agência Brasil    Redação

Os servidores do Banco Central prometem intensificar a greve, iniciada em 1º de abril, caso o Governo não faça uma proposta oficial de reajuste. Segundo o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central, entre as ações para fortalecer a paralização estão a interrupção parcial das transferências instantâneas via PIX e a distribuição de moedas e células, pois não são considerados serviços essenciais.

De acordo com o portal Metropoles,  o sindicato da categoria informou que o movimento grevista já está colhendo frutos.  “Somente com a greve acontecendo é que obtivemos a primeira reunião oficial com o governo. Está marcada para terça-feira (5/4), às 10h30″, afirmou o presidente do Sinal, Fábio Faiad.

Leia mais:

Sites asiáticos disparam e já vendem para 2/3 dos internautas brasileiros

Mega-Sena paga R$ 122 milhões para aposta única; saiba de onde é

Bolsonaro adia corte maior no IPI após se irritar com ação judicial contra redução do imposto

Em nota, a categoria afirma que se não houver proposta oficial do governo para reajuste, haverá manutenção e intensificação da greve. “O Pix e outras atividades do BC não se encontram dentro do escopo da lei dos serviços essenciais. Portanto, a greve poderá interromper parcialmente o Pix e a distribuição de moedas e cédulas. E poderá interromper, parcial ou totalmente, a divulgação do boletim Focus e de diversas Taxas, o monitoramento e a manutenção do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) e da mesa de operações do Demab, o atendimento ao público e outras atividades”, informou o sindicato.

Até o momento, o movimento tem adesão de 60% da categoria. Napauta de reivindicações, está o pedido de reajuste de 26,3% e uma reestruturação da carreira de analista. Com a insatisfação salarial e de políticas, cerca de 725 servidores do BC entregaram suas comissões. De acordo com o Sinal, as publicações das saídas dos cargos não saíram no Diário Oficial da União “porque a direção do BC decidiu tentar “segurar” as portarias”, disse em nota.

Siga o BNews no Google Notícias e receba os principais destaques do dia em primeira mão.

Classificação Indicativa: Livre