BNews Nordeste

94,5% da população cearense se autodeclara heterossexual, segundo pesquisa inédita do IBGE

Reprodução/ Pexels

PNS reconhece que medo de discriminação e violência podem influenciar na autoidentificação de pessoas LGBT+

Publicado em 25/05/2022, às 11h43    Reprodução/ Pexels    Redação BNews

Pesquisa inédita realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgado nesta quarta-feira (25), aponta que 94,5% dos cearenses se declaram heterossexuais. O dado é da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS): Quesito Orientação Sexual, realizada em 2019, que entrevistou pessoas com 18 anos ou mais de idade.

De acordo com o G1, essa é a primeira vez que esse estudo foi feito e por isso as estatísticas apresentada são “experimentais” e devem ter qualidade e relevância avaliadas. Das 6,8 milhões de pessoas adultas no Estado, o contingente heterossexual seria de 6,4 milhões. Por outro lado, 81 mil pessoas (1,2%) seriam homossexuais ou bissexuais, enquanto 287 mil (4,2%) se recusaram a responder ou não sabiam sua orientação sexual.

Leia mais:

Conselho Tutelar recebe denúncias de abandono de incapaz e pai pode ficar sem filho que foi jogado do 4º andar

Jovem é preso suspeito de agredir a mãe idosa e roubar o carro dela

Cerca de 40 ônibus ficam sem circular em Teresina por irregularidades trabalhistas

O método escolhido foi a autoidentificação dos entrevistados, embora o IBGE reconheça que “o fato de uma pessoa se autoidentificar como heterossexual não impede que ela tenha atração por ou relação sexual com alguém do mesmo sexo”. Além disso, incompreensão das perguntas, falta de privacidade para responder ou até o receio de se autoidentificar como não heterossexual, podem ter influenciado no resultado da pesquisa.

Segundo os dados divulgados pela PNS e levando em consideração o Nordeste,  Fortaleza é a capital com menos pessoas não-heteronormativas, empatada com Salvador. Já as maiores populações de homossexuais e bissexuais estão em Natal (4%) e Aracaju (3,5%).

Para o IBGE, a investigação é oportuna para a elaboração de políticas públicas voltadas para a população não heteronormativa, além do “monitoramento de potenciais desigualdades de aspectos sociais e de saúde, segundo as diferentes orientações sexuais”.

Siga o BNews no Google Notícias e receba os principais destaques do dia em primeira mão!

Classificação Indicativa: Livre