Polícia

Paraíso Perdido: Delegado contesta versão de advogado da esposa de empresário encontrado morto em pousada

Reprodução Redes Sociais

A autoridade segue afirmando hipótese de homicídio

Publicado em 27/04/2022, às 20h09    Reprodução Redes Sociais    Redação Bnews

Após declarações do advogado de Shirley da Silva Figueiredo, sobre o laudo de conclusão do inquérito sobre a morte do marido, Leandro Troesch, o delegado do caso, Rafael Magalhães, afirmou na tarde desta quarta-feira (27) que o caso segue como indicativa de homicídio, em entrevista dada ao programa Balanço Geral, da RecordTV Itapoan.

Leia mais: 

Caso Paraíso Perdido: Maqueila é liberada do presídio

PM invade pousada Paraíso Perdido, dois homens morrem em troca de tiros e blogueiras são presas

Defesa de blogueira presa na Paraíso Perdido diz que ela "espera ansiosa pela liberdade"

A autoridade declarou que desconhece o laudo cadavérico atribuído ao médico legista que participou da necropsia do corpo do proprietário da Pousada Paraíso Perdido e contestou a hipótese, baseado no laudo pericial.

Umas das provas relatadas pelo delegado é que Shirley da Silva Figueiredo, indiciada por homicídio, teria lavados as mãos, o que apontou prova negativa na perícia, e declarou inclusive que tem provas até do local onde ela teria se banhado.

“Não houve mudança nenhuma. Eu sou o presidente do inquérito, esse inquérito foi concluído e encaminhado para Justiça com indicativo de homicídio. Eu estou baseado no laudo pericial que diz que o caso é distinto de suicídio. Se é distinto de suicídio é homicídio. O laudo de pólvora combusta deu negativo na mão dele e na mão dela, mas eu tenho depoimentos que ela lavou as mãos e tomou banho logo depois", afirmou 

Segundo o delegado, serão ouvidas as testemunhas, feita a reconstituição do crime e o encaminhamento do laudo cadavérico do caso. Até agora Shirley segue foragida, escondida em um local de conhecimento somente do advogado de defesa dela. 

O empresário Leandro Silva Troesch, proprietário da famosa Pousada Paraíso Perdido, em Jaguaripe, no Recôncavo Baiano, morreu com um tiro na cabeça na noite do dia 25 de fevereiro.
Ele era dono de uma pousada badalada na cidade e, em 2021, e foi preso, junto com sua esposa Shirley, por um crime cometido em 2001. Os dois foram sentenciados pelos crimes de roubo e extorsão mediante sequestro contra uma mulher em Salvador.

Siga o BNews no Google Notícias e receba os principais destaques do dia em primeira mão

Classificação Indicativa: Livre