Política

Moro fala em "manobras jurídicas" após processo contra Lula ser prescrito

Divulgação

Sergio Moro ainda pediu que crimes de corrupção, como os que Lula foi condenado, não prescrevesse

Publicado em 07/12/2021, às 15h03    Divulgação    Redação BNews

O ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro (Podemos) chamou de "manobras jurídicas" a decisão de reconhecer a prescrição no processo que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no caso do tríplex do Guarujá (SP).

"Manobras jurídicas enterraram de vez o caso do Triplex de Lula, acusado na Lava Jato. Crimes de corrupção deveriam ser imprescritíveis, pois o dano causado à sociedade, que morre por falta de saúde adequada, que não avança na educação, jamais poderá ser reparado", escreveu, no Twitter.

Em junho, o STF (Supremo Tribunal Federal) considerou Moro parcial ao julgar Lula no processo do tríplex, no qual o petista foi condenado em julho de 2017.

O Ministério Público Federal (MPF) reconheceu a prescrição do processo envolvendo o tríplex atribuído a Lula. O MPF citou a decisão do STF que anulou as condenações do petista e transferiu o caso para Justiça Federal de Brasília.

Leia também: PF quer usar dados sobre milícias digitais em inquérito que investiga Jair Renan

"Não aguenta 10 segundos de debate", afirma Bolsonaro sobre Moro

Republicanos não desiste de lançar Roma candidato a governador, mas quer viabilidade eleitoral

O tríplex

No caso do tríplex, Lula foi acusado de "lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, envolvendo o pagamento de reforma, ocultação e dissimulação da titularidade do apartamento 164-A, tríplex, e do beneficiário das reformas realizadas".

Além de Lula, os outros réus do processo eram Marisa Letícia Lula da Silva, esposa do petista morta em 2017; o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto; os ex-presidentes da OAS José Adelmario Pinheiro Filho, Agenor Franklin Magalhães Medeiros, Fabio Horia Yonamine e Roberto Moreira Ferreira.

Acompanhe o BNews também nas redes sociais, através do Instagram, do Facebook e do Twitter

Classificação Indicativa: Livre