Política

Venda do Centro de Convenções já tem nova data para ser discutida na AL-BA

Divulgação

A discussão foi suspensa por causa de evento de ACM Neto

Publicado em 03/12/2021, às 14h39    Divulgação    Pedro Vilas Boas

A venda do Centro de Convenções estadual, no Stiep, tem uma nova data para ser discutida na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). O presidente da Casa, Adolfo Menezes (PSD), marcou a apreciação para a próxima terça-feira (7), às 9h30, de acordo com publicação no Diário Oficial do Legislativo.

Nesse dia, também estão agendadas as discussões sobre as vendas de outros três imóveis: rodoviária, Detran e Junta Médica da Bahia. A sessão que aconteceria na quinta-feira (2) foi suspensa após pedido da bancada de oposição por causa do evento de lançamento da pré-candidatura de ACM Neto (DEM) ao governo da Bahia.

A venda do Centro de Convenções é alvo de uma polêmica. No mês passado, um juiz da 34º Vara da Justiça do Trabalho de Salvador enviou um ofício diretamente a Menezes orientando que os recursos da futura negociação sejam destinados ao pagamento de débitos de ex-funcionários da extinta Bahiatursa, ou que o projeto fosse suspenso.

Em entrevista ao BNews, o presidente da AL-BA disse que o projeto de lei vai tramitar normalmente na Casa, mesmo após o ofício judicial. Menezes não descarta a possibilidade da sugestão judicial ser atendida em forma de emenda, por exemplo, mas sem obrigatoriedade.

Leia também: Após evento de Neto, Wagner diz que 'as pessoas estão se precipitando' e rejeita debate de idade

“Conversações tem que ser estabelecidas”, diz Geraldo Júnior ao comentar declaração de Lúcio Vieira sobre apoio a ACM Neto

Lula diz que PT 'errou muita coisa' e que Mano Brown acertou ao criticar partido

A venda do Centro de Convenções

O governo Rui Costa (PT) tenta, novamente, conseguir junto à Assembleia a autorização para vender os quatro imóveis. Desta vez, enviou um projeto de lei para cada, ao invés de apresentar uma proposta contendo esses e outros 23.

O governo desistiu do projeto original após liminar da Justiça que suspendeu a proposta, atendendo a pedido do deputado Hilton Coelho (PSOL), que alegou que o projeto não detalhava as vendas. O Ministério Público da Bahia (MP-BA) também cobrou que o Executivo enviasse mais informações.

 Acompanhe o BNews também nas redes sociais, através do Instagram, do Facebook e do Twitter

Classificação Indicativa: Livre